Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.150,98
    -842,41 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Google revela estratégia para deixar o Chrome ainda mais rápido

·2 min de leitura

O Google lançou uma atualização para o navegador Chrome com otimizações para deixar o desempenho bem superior ao atual. Em um post no blog oficial, a empresa afirma que o programa usa entre 5% e 7% menos memória, carrega as páginas da web mais rápido do que nunca e apresenta menos travamentos ou problemas de renderização no Android.

Essa solução foi possível graças a um processo de particionamento do código do navegador: recursos que puxam mais do dispositivo só são carregados quando absolutamente necessários. A modificação deve favorecer também a gestão geral do projeto, já que hoje o software do Google é um amontoado de códigos lançados de tempos em tempos com melhorias e adições de recursos.

No modelo antigo, o Chrome precisava carregar todos os recursos de uma só vez para funcionar (Imagem: Reprodução/Google)
No modelo antigo, o Chrome precisava carregar todos os recursos de uma só vez para funcionar (Imagem: Reprodução/Google)

Para a empresa, um conjunto mínimo de módulos carregados logo na inicialização é mais vantajoso na maioria das situações, porque ela beneficia um conjunto maior de usuários que não usarão todos os recursos. Já para os que tiveram um hardware mais parrudo e queiram usar mais funcionalidades, aí, sim, o Chrome entraria com mais opções.

Núcleos isolados

Uma das mudanças teria sido em uma tributo chamado android: isolatedSplits, que poderia ser usado para reduzir a carga de uso em telefones celulares e tablets com recursos mais limitados. Com as "divisões isoladas", todos os recursos podem existir em um estado de prontidão, mas só serem carregados completamente quando chamados para a ação.

No modelo de núcleos isolados, o navegador só carrega o que for necessário (Imagem: Reprodução/Google)
No modelo de núcleos isolados, o navegador só carrega o que for necessário (Imagem: Reprodução/Google)

No conjunto de obra, o Google explica que as mudanças trouxeram impactos no uso da memória usada para renderizar sites, processamento da GPU e na atividade do navegador em si. A recomendação é para que os usuários do Chrome no Android atualizem seu software assim que possível para tirar proveito das novidades.

Mesmo longe de ser perfeito, o Chrome ainda é o queridinho da maioria das pessoas e detém quase 64% de todo o mercado móvel do planeta, segundo dados da StatCounter. O programa está à frente de rivais de peso como o Apple Safari (25%), Samsung Internet (5%) e Opera (2%).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos