Mercado abrirá em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,71
    +0,66 (+1,01%)
     
  • OURO

    1.699,60
    +21,60 (+1,29%)
     
  • BTC-USD

    54.241,09
    +4.387,94 (+8,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.095,73
    +71,52 (+6,98%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.749,78
    +30,65 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.559,75
    +262,50 (+2,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9935
    +0,0337 (+0,48%)
     

Google registra aumento em suas receitas no último trimestre de 2020

Rui Maciel
·3 minuto de leitura

Assim como outras empresas que têm na publicidade online sua principal fonte de receita, o Google também foi impactado pela pandemia da COVID-19 ao longo de 2020, quando os anunciantes retraíram seus investimentos. No entanto, os números apresentados pela empresa referentes ao quarto trimestre de 2020 mostram que há um cenário de recuperação em andamento.

A Alphabet - holding controladora do Google - apresentou um crescimento de 23% em sua receita no último trimestre do ano passado, registrando US$ 56,9 bilhões. Além disso, o lucro da companhia também aumentou - mais precisamente 42,05% - com ganhos líquidos de US$ 15,2 bilhões. O lucro por ação foi de US 22,30, um crescimento de 40,2% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Após o anúncio dos números, as ações do Google fecharam em alta de 7,4% no fechamento do pregão dos EUA.

Dependência (excessiva) da publicidade continua. Nuvem registra perdas

Como acontece desde sempre, a publicidade online foi a principal fonte de receitas da Alphabet / Google, respondendo por 81% do faturamento. Destaque para o YouTube, que faturou US$ 6,89 bilhões, um crescimento de 12,7% em relação ao último trimestre de 2019 (US$ 6,11 bilhões).

O Google Cloud - divisão de serviços na nuvem do Google - apresentou um crescimento tímido, mas dentro do esperado pelo mercado: a unidade faturou US$ 3,83 bilhões, uma evolução de 0,52% em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 3,81 bilhões).

No entanto, de modo geral, o Google Cloud ainda precisa acelerar: durante todo ano de 2020, a divisão teve prejuízo de US$ 5,61 bilhões (US$ 1,24 bilhões no quarto trimestre de 2020), o que significa que essa vertical ainda está modo de investimento. Para efeito de comparação, o Amazon Web Services obteve lucro operacional de US$ 13,53 bilhões no passado e US$ 3,56 bilhões no último tri.

No entanto, Sundar Pichai, CEO da Alphabet / Google, durante a teleconferência de resultados, afirmou que "está muito satisfeito com o progresso aqui e continuará azendo investimentos disciplinados para escalar os negócios e melhorar a lucratividade". Ainda segundo o executivo, a receita do Google Cloud cresceu 47% no ano após ano “com o crescimento do GCP permanecendo significativamente acima da taxa de crescimento da nuvem em geral”. Ele afirmou também que o negócio de nuvem da empresa garantiu vários negócios de bilhões de dólares em 2020. Já Ruth Porat, CFO da companhia, disse que a unidade de nuvem continuará aumentando as contratações nas áreas de vendas e funções técnicas.

Para completar, o faturamento com hardware, Play Store e receitas não publicitárias do YouTube ("Outras receitas do Google") também apresentou crescimento: 26,8% (US$ 6,67 bilhões) em comparação ao quatro trimestre de 2019 (US$ 5,26 bilhões).

Outras apostas continuam perdendo dinheiro

No segmento chamado "Outras Apostas", o Google continua sangrando dinheiro. Sua unidade de ciências biológicas, a Verily, bem como a Fiber, que oferece de serviços de banda larga, além da Waymo, que desenvolve carros autônomos, apresentaram receitas de US$ 196 milhões, US$ 178 milhões e US$ 657 milhões, respectivamente. No entanto, o prejuízo operacional foi de US$ 4,48 bilhões ao longo do ano passado. (US$ 1.14 bilhão no quarto trimestre)

As “Outras receitas” da Alphabet chegaram a US $ 6,67 bilhões no quarto trimestre. Isso representa US $ 5,26 bilhões no quarto trimestre de 2019. Os executivos disseram que a empresa fechou a aquisição da Fitbit e que seus resultados financeiros aparecerão no segmento “Outros” daqui para frente.

Vale lembrar que no final de janeiro desse ano, a Alphabet anunciou o fechamento do projeto Loon, que desenvolvia um sistema de acesso à internet oferecido por balões na estratosfera. No anúncio do fim das operações do projeto, os responsáveis afirmaram que não encontraram formas de criar um negócio sustentável com base na tecnologia desenvolvida, apesar das parcerias firmadas ao longo dos últimos anos.

Por fim, os executivos da Alphabet afirmaram que com aquisição da Fitbit finalmente aprovada, os resultados financeiros dessa unidade também passam a aparecer também no segmento de "Outras Apostas".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: