Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,90
    +1,15 (+1,92%)
     
  • OURO

    1.722,80
    -10,80 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    51.669,62
    +2.607,70 (+5,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.032,68
    +44,58 (+4,51%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.672,70
    +58,95 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.141,75
    +86,50 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8561
    -0,0060 (-0,09%)
     

Google recorre a internautas australianos contra projeto do governo de cobrar por conteúdo

·2 minuto de leitura
Google adota táticas agressivas para tentar abortar o projeto do governo australiano de fazer a empresa pagar os meios de comunicação pelos conteúdos que publica

O Google usa seu motor de busca na Austrália, a partir desta sexta-feira (29), para divulgar sua oposição ao projeto de Camberra, que pretende fazer o gigante digital pagar pelo conteúdo de mídia publicado por ele.

Agora, ao fazer uma busca no Google, os internautas australianos veem uma mensagem, na qual a empresa manifesta sua oposição ao projeto que visa a regular as relações entre a imprensa e gigantes da Internet, como Google e Facebook.

Essas duas grandes empresas, que captam uma parte significativa da receita de publicidade, opõem-se a esse "código de conduta obrigatório" que tem como alvo o "feed de notícias" do Facebook e as buscas no Google.

O projeto prevê que estas empresas remunerem os meios de comunicação australiano pela publicação de seu conteúdo. Em caso de infração, serão multados em milhões de dólares.

A iniciativa australiana é acompanhada com interesse no mundo todo, em um momento em que a mídia sofre com a queda de sua receita de publicidade, que vai parar no Facebook, no Google e em outras grandes empresas de tecnologia.

O Google multiplicou suas iniciativas para abortar este projeto, ameaçando suspender seu motor de busca na Austrália e impedindo um pequeno número de internautas de acessar conteúdos da imprensa australiana.

A ação lançada nesta sexta é nova e tem o objetivo de angariar o apoio dos internautas à sua causa.

Em um vídeo, a diretora-geral do Google Austrália, Mel Silva, adverte contra esse projeto, que "romperá a forma de funcionamento dos motores de busca" e ameaçará uma "Internet livre e aberta".

Essa visão é compartilhada por Tim Berners-Lee, o principal inventor da Web em 1989, que comentou, recentemente, que esse projeto é "inviável" e mina um "princípio fundamental" da Internet.

Os críticos do Google acreditam, por sua vez, que a mensagem que apareceu nesta sexta-feira apenas destaca a vontade da empresa em usar sua posição dominante no mercado para seus próprios fins.

arb/dm/leg/juf/ob/yow/tt