Mercado abrirá em 9 h 30 min
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,63
    -0,86 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.868,40
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    41.003,55
    -3.868,60 (-8,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.136,34
    -116,80 (-9,32%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.152,50
    -59,50 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4325
    +0,0024 (+0,04%)
     

Google quer promover campanhas mundiais de vacinação anticovid

·1 minuto de leitura
(Arquivo) A Google afirmou que deseja facilitar a vacinação em comunidades com pouco acesso aos cuidados de saúde

A Google anunciou nesta quinta-feira (15) uma série de doações financeiras e medidas para ajudar as campanhas de vacinação nos Estados Unidos e em todo o mundo, incluindo um "agente virtual" para guiar as pessoas com pouco ou nenhum acesso à internet.

Acessível por mensagem de texto, chat online ou telefone, o mecanismo permitirá às pessoas marcar uma data para se vacinar ou fazer perguntas básicas sobre sua elegibilidade, em 28 idiomas diferentes.

O ramo da computação na nuvem da gigante tecnológica desenvolveu a ferramenta principalmente para "pessoas com acesso limitado à internet", explica um comunicado.

A Google afirmou que deseja facilitar a vacinação em comunidades com pouco acesso aos cuidados de saúde.

A empresa californiana se comprometeu a fornecer 250.000 doses de vacinas aos países necessitados, a ajudar a financiar centros de vacinação temporários nos Estados Unidos e a fornecer 250 milhões de dólares em subsídios publicitários para ajudar os governos e as organizações de saúde, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a divulgarem as campanhas.

"Nos Estados Unidos, a covid-19 afetou desproporcionalmente as populações de negros e hispânicos. Além disso, esses grupos têm as taxas de vacinação mais baixas", destaca o grupo.

A Google também expressou sua preocupação pelo fato de em outras partes do mundo "é provável que alguns países levem anos para ter vacinas suficientes".

Várias grandes empresas tecnológicas anunciaram iniciativas parecidas. Amazon, Uber e Facebook forneceram recursos ou ferramentas digitais para ajudar as campanhas de vacinação.

"Como vimos durante a pandemia, ninguém está protegido da covid-19 até que todos estejam protegidos", afirma a Google.

Nos Estados Unidos, Canadá, Chile, França, Índia e Singapura já é possível usar o Google Maps para encontrar centros de vacinação.

juj/cjc/yo/rsr/aa