Mercado fechará em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    113.322,66
    +39,98 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.486,68
    +380,97 (+0,75%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,47
    +1,49 (+2,01%)
     
  • OURO

    1.752,10
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    43.125,98
    -210,05 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.074,36
    -27,16 (-2,47%)
     
  • S&P500

    4.444,26
    -11,22 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.934,76
    +136,76 (+0,39%)
     
  • FTSE

    7.068,20
    +16,72 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.166,00
    -152,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2674
    +0,0118 (+0,19%)
     

Google pode pagar US$ 15 bilhões para seguir como buscador padrão da Apple

·2 minuto de leitura

Para continuar com o posto de mecanismo de busca padrão do Safari em todo o ecossistema da Apple, o Google poderia desembolsar US$ 15 bilhões (cerca de R$ 80 bilhões), aponta relatório de analistas da Bernstein. No ano passado, a Gigante das Pesquisas teria pagado US$ 10 bilhões (mais de R$ 50 bilhões) para se manter como a escolha padrão de quem faz buscas em iPhones, iPads e Macs.

O altíssimo valor foi relevado em uma nota flagrada pelo jornalista Ped30. A estratégia do Google aparentemente é elevar o valor do lance inicial para evitar ser superado pela Microsoft. O Bing, embora bem menos popular, é um dos principais concorrentes do buscador do Google.

A avaliação parte de arquivos públicos da Apple, como uma análise ascendente dos pagamentos de TAC (custos de aquisição de tráfego) do Google e, no ano que vem, o valor poderia chegar a US$ 20 bilhões (cerca de R$ 105 bilhões). Tamanho investimento comprovaria, também, que a companhia tem enorme interesse em manter presença em dispositivos Apple, e que a presença nativa é realmente valiosa para a companhia de alguma forma.

Negociação pode ser questionada

De acordo com a nota, a movimentação do Google pode chamar a atenção de autoridades regulatórias no mundo todo, mas essa ameaça estaria “a anos de distância”. Vale lembrar que, na Europa, usuários de Android devem escolher o mecanismo de busca padrão na primeira vez que navegam na internet, e essa decisão foi tomada justamente para melhorar a competitividade no segmento de buscadores.

Por enquanto, nenhuma decisão foi tomada pelo Google e a proposta astronômica não passa de um rumor — a análise levanta a possibilidade do Google desistir da oferta devido ao altíssimo valor. Ainda assim, vale ficar atento aos desdobramentos dessa negociação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos