Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.103,28
    -2.245,83 (-4,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Google pagará US$ 3,8 mi por denúncias de discriminação salarial e em contratações

·1 minuto de leitura
Uma avaliação apontou disparidades de gênero para os engenheiros de software nos escritórios do Google no Vale do Silício e no estado de Washington

Reguladores trabalhistas dos Estados Unidos disseram, na segunda-feira (1), que o Google concordou em pagar US$ 3,8 milhões para resolver as acusações de discriminação contra mulheres e pessoas de ascendência asiática à procura de emprego.

O Departamento do Trabalho americano disse que a maior parte do dinheiro do acordo irá para 2.565 mulheres empregadas pela companhia em posições de engenharia, na forma de salários atrasados e juros, assim como para quase 3.000 mulheres, ou candidatos de ascendência asiática, que não foram selecionados para vagas de engenharia.

O Google explicou que as discriminações foram detectadas durante uma análise interna de rotina e que concordou com o acordo para corrigir a situação. Ao mesmo tempo, nega ter violado qualquer lei.

"Acreditamos que todos devem ser pagos com base no trabalho que fazem, e não em quem são, e (acreditamos) em investir para tornar nossos processos de remuneração e recrutamento justos e imparciais", disse uma porta-voz do Google à AFP.

Ela acrescentou que a empresa analisa, anualmente, os dados de sua folha de pagamentos em busca de anomalias e que o Google fica "satisfeito" por resolver essas acusações.

Uma avaliação encontrou disparidades de gênero no caso do engenheiros de software nos escritórios do Google no Vale do Silício e no estado de Washington, aponta um comunicado do Departamento do Trabalho.

Segundo a pasta, foram encontradas "diferenças nas taxas de contratação", que deixavam as candidatas mulheres e pessoas de ascendência asiática em desvantagem para as vagas de engenharia.

Como parte do acordo, o Google concordou em revisar suas políticas, procedimentos e práticas relacionadas a contratações e salários, de acordo com o departamento.

gc/to/lda/erl/tt