Mercado fechará em 5 h 19 min
  • BOVESPA

    130.776,03
    +1.335,00 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.127,12
    -159,34 (-0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,67
    +0,76 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.868,70
    -10,90 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    40.865,14
    +5.081,34 (+14,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,84
    +46,00 (+4,75%)
     
  • S&P500

    4.239,92
    -7,52 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.344,60
    -135,00 (-0,39%)
     
  • FTSE

    7.160,11
    +26,05 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.009,00
    +14,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1574
    -0,0352 (-0,57%)
     

Google lidera esforços para manter autorizações de trabalho a cônjuges de titulares do visto H-1B nos EUA

·1 minuto de leitura
Escritórios do Google em Mountain View, Califórnia (EUA)

Por Paresh Dave

(Reuters) - O Google, da Alphabet, disse nesta sexta-feira que está liderando cerca de 30 empresas e grupos comerciais em oposição a um processo que visa impedir que 90.000 cônjuges de trabalhadores altamente qualificados e com visto dos Estados Unidos tenham empregos no país.

As organizações alegam que a anulação da autorização de emprego para os cônjuges causaria destruição financeira para as famílias, porque a maioria fez escolhas de vida, como ter filhos ou comprar uma casa, baseado na expectativa de ter duas rendas.

Um juiz federal em Washington deve decidir nos próximos meses sobre o processo que questiona as autorizações de trabalho vinculadas aos vistos H-4, emitidos para cônjuges de titulares do visto H-1B, que possuem alta qualificação em tecnologia e outras indústrias.

A vice-presidente jurídica do Google, Catherine Lacavera, disse em um blog que a empresa havia liderado uma petição amicus no caso.

Depois de ouvir as preocupações dos funcionários sobre a incerteza do programa de trabalho, os advogados do Google entraram em contato com órgãos comerciais, incluindo o Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação, e juntos recrutaram a Amazon, a Microsoft, o Pinterest , a Câmara de Comércio dos EUA e outras organizações para assinaram um pedido contra a limitação do trabalho, disseram duas fontes familiarizadas com o caso.