Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.781,40
    +3,00 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    55.435,44
    +631,56 (+1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.269,63
    +35,21 (+2,85%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.661,58
    -474,15 (-1,63%)
     
  • NIKKEI

    28.513,80
    -586,58 (-2,02%)
     
  • NASDAQ

    13.742,00
    -52,25 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0153 (-0,23%)
     

Google leva a melhor no Supremo dos EUA em disputa com Oracle por direitos autorais

Andrew Chung
·2 minuto de leitura
.

Por Andrew Chung

(Reuters) - A Suprema Corte dos Estados Unidos concedeu ao Google uma grande vitória nesta segunda-feira, determinando que o uso de códigos do software Java (da Oracle) para desenvolver o sistema operacional Android (usado em mais de 70% dos dispositivos móveis do mundo) não viola a lei federal de direitos autorais.

Por 6 a 2, os juízes anularam a deliberação de um tribunal inferior, que considerou o uso de códigos do software da Oracle uma aplicação injusta da lei de direitos autorais do país.

Um dos juízes, Stephen Breyer, alegou que permitir que a Oracle exija direitos autorais de todo o código de seu software prejudicaria o público, pois seria limitaria "a criatividade futura de novos programas. A Oracle seria a única fonte".

As duas gigantes da tecnologia com receitas anuais combinadas em mais de 175 bilhões de dólares, estão em conflito desde que a Oracle abriu processo contra o Google no Tribunal Federal de São Francisco, por violação de direitos autorais.

A Oracle acusa o Google de plagiar o Java ao copiar 11.330 linhas do código do software para criar o Android e arrecadar bilhões com o sistema. O Google disse que não copiou o Java, mas usou fragmentos do código do software necessários para operar um programa ou plataforma de computador. A lei federal de direitos autorais não protege esses fragmentos do código, tidos como "métodos de operação".

O Google recorreu à Suprema Corte de uma condenação de 2018 do Tribunal de Recursos do Circuito Federal em Washington, reabrindo o processo. O veredicto pode poupar a gigante de uma gorda indenização: a Oracle pedia mais de 8 bilhões de dólares, mas as estimativas renovadas do processo falavam em 20 a 30 bilhões de dólares, de acordo com analistas.

O caso tem sido complicado desde o início, e as empresas alegam que uma decisão contra elas prejudicaria o setor de inovações. O Google afirma que os fragmentos de códigos usados no Android ajudam desenvolvedores a criarem programas que rodam em várias plataformas, elemento chave para inovação de software.

Mas a Oracle afirma que desenvolvedores não criarão novos softwares sabendo que eles podem simplesmente ser roubados, como a empresa alega ter sido.