Mercado abrirá em 4 h 2 min

Google lança programa para aumentar a conversão em sites mobile

Rui Maciel

Google Mobile Sprint. Esse é o nome de um programa criado pelo Google, que prevê a adoção de tecnologias web e que tem como objetivo principal aumentar a taxa de conversão das versões mobile dos sites.

Sim, porque apesar do tráfego web vindo de dispositivos móveis já superar o de desktops e notebooks, a taxa de conversão nesse tipo de site, em média, equivale a metade dos PCs. E isso acontece, muitas vezes, porque a maioria dos sites mobile não estão devidamente otimizados para oferecer uma boa experiência ao usuário. Segundo uma pesquisa da consultoria Provokers, mais de 50% das visitas em sites mobile são abandonadas se as páginas demoram mais de três segundos para carregar.

"Se as pessoas têm uma experiência negativa no celular, elas têm 62% menos chances de comprar da sua empresa no futuro - não importa o quão criativa ou data-driven é a sua campanha", afirmou Rodrigo Baroni, especialista no ecossistema mobile do Google Brasil, em entrevista para o Canaltech.

Dificuldades

Rodrigo afirmou que as empresas sabem que precisam de uma página mobile otimizada, mas não a fazem. "Muitas vezes não há um alinhamento dentro das empresas", disse ele. "Os departamentos de Marketing e Vendas não trabalham com as áreas de TI e Produtos. E esse alinhamento é essencial para o desenvolvimento de um bom site para smarpthones e outros dispositivos mobile".

Para o executivo, boa parte desses sites não foram repensados para telas pequenas: "Ainda há (muito) o hábito de se usar apenas um site responsivo e achar que o problema está resolvido. No entanto, apenas ser responsivo não basta. Você ainda tem problemas de carregamento. Além disso, há problemas de interação por causa de bugs de script, por exemplo, o que gera instabilidade nessas páginas", continua Baroni. "É preciso otimizar as funções das páginas mobile, para que a experiência seja semelhante ao da versão para desktops. Se isso não é feito, as empresas perdem vendas e conversões consideráveis", completa.

Quando perguntando qual é o principal problema dos sites mobile no Brasil, Baroni foi categórico: "O carregamento é o principal deles. Quando analisamos a performance, notamos que boa parte das páginas mobile é muito lenta. E 1 segundo a mais nesse processo já é o suficiente para gerar rejeição por parte do público", declarou. "Com isso, muitas vezes, os clientes priorizam o app de uma determinada empresa e deixam o site mobile de lado. E isso faz com que essas companhias percam vendas, porque um não exclui o outro. E a nossa ideia é gerar uma ótima experiência em todos os canais que podem potencialmente gerar conversões".


Como funciona o Google Mobile Sprint

A primeira edição do programa começará no próximo dia 19 de novembro. Serão quatro encontros que terão os seguintes objetivos: melhorar a experiência de interação, otimizar os campos de formulário para conversão, otimizar soluções de pagamento e focar na questão de velocidade a partir do AMP ( sigla em inglês para Páginas Móveis Aceleradas, uma tecnologia do Google que carrega sites mobile mais rapidamente e que melhora o ranqueamento das mesmas em mecanismos de busca) e do PWA (sigla em inglês para Aplicativos Web Progressivos, uma tecnologia também impulsionada pelo Google, onde o site mobile é desenvolvido de forma que o seu manuseio fique semelhante ao de um aplicativo para smartphones ou tablets).

No primeiro encontro, no dia 19, as empresas participantes do programa vão interagir com engenheiros do Google para programação em quatro mãos, visando engajamento e retenção de visitantes; já no segundo dia, o foco é no Google Analytics, com análies de MVP, testes A/B, carregamento e conversão; na terceira etapa do Mobile Sprint as empresas terão de colocar os projetos desenvolvidos no ar. Por fim, o quarto e último dia é destinado à criação de uma campanha para promover o site mobile.

Ainda de acordo com o Google, participarão do Mobile Sprint empresas de grande porte, mas de diferentes verticais, o que inclui setores como finance, automóveis, serviços, entre outros. A companhia afirma ainda que a tendência é fazer o programa periodicamente e que este novo padrão - maior e mais estendido do que ações anteriores de impulsionamento de sites mobile - tende a ser o utilizado a partir daqui.

Para as empresas que desejam otimizar seus sites mobile, mas não participarão do Google Mobile Sprint, a Google afirma que conta com páginas especializadas no assunto e que podem ser consultadas. São elas a Amp.dev e a Web.dev. Ambas estão em inglês.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: