Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,50
    -0,74 (-0,96%)
     
  • OURO

    1.740,50
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    16.157,18
    -319,11 (-1,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,91
    -1,38 (-0,36%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    27.923,74
    -239,09 (-0,85%)
     
  • NASDAQ

    11.627,00
    +10,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5496
    +0,0004 (+0,01%)
     

Google gasta R$ 11 bilhões em novo prédio

Fachada de prédio do Google
Novo escritório fica na Hudson Square, em Manhattan
(Getty Commercial)
  • Google compra novo edifício e gasta R$ 11 bilhões

  • Empresa está seguindo o mesmo movimento de outras, como Facebook e Amazon

  • Medidas traz à tona questões sobre o futuro do trabalho, ainda incerto com relação ao home office

O Google anunciou, nesta terça-feira, 21, a compra do edifício St. John’s Terminal por R$ 11 bilhões. O local fica na Hudson Square, em Manhattan. De acordo com Ruth Porat, CFO da Alphabet, dona do Google, a compra representa um aprimoramento de uma “abordagem híbrida mais flexível para trabalhar”.

Porat ainda comentou que a decisão tem a ver com o desejo que o Google tem em investir mais R$ 1,3 bilhão, ao longo deste ano, para ampliar sua presença em Nova York, além de contribuir para que os funcionários se reúnam “pessoalmente para colaborar e construir nossa comunidade”.

Leia também:

Novos escritórios nas Big Techs

Assim como Google, outras empresas anunciaram a compra, aluguel ou construção de escritórios, como Facebook, Amazon e Alphabet. A notícia não significaria nada demais se não fossem as frequentes dúvidas sobre o futuro do trabalho - até porque tudo indicava que a tendência era o home office, adotado em massa devido à pandemia.

No entanto, conforme apontou a Forbes, a escolha do Google e da Amazon, que está alugando escritórios corporativos em seis grandes cidades dos EUA, é inteligente: para as gerações Z e Y, que abrigam desde os nascidos por volta de 1995, é fundamental o sentimento de pertencer. Afinal, entrar em uma grande empresa para ficar alocado em uma cadeira dentro da casa dos pais ou em um pequeno apartamento não traria o glamour que o trabalho presencial ao lado de colegas, líderes e mentores é capaz de proporcionar.

Os bilhões de dólares que tais multinacionais estão gastando têm um propósito, e isso traz à tona novamente a questão do futuro do trabalho. Aparentemente, tomar o home office como certo e único não é uma teoria tão boa assim.