Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,86
    -0,42 (-0,69%)
     
  • OURO

    1.708,20
    -7,60 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    50.595,81
    +2.764,15 (+5,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,06
    +25,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.640,75
    -41,00 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7718
    -0,0903 (-1,32%)
     

Google Fit detecta frequências cardíaca e respiratória pela câmera do celular

Redação
·2 minuto de leitura

Buscando expandir suas ferramentas para ajudar a manter uma vida saudável, o Google aprimorou significativamente as habilidades do app. Utilizando somente as câmeras e, aparentemente, em qualquer celular compatível com o app, o Google Fit consegue estimar a frequência cardíaca e respiratória do usuário durante atividades físicas.

As novidades permitem que o aplicativo avalie o estado físico do usuário sem qualquer aparelho vestível complementar. Chegando primeiro em celulares da companhia, a novidade permitirá que o usuário extraia a sua frequência respiratória por meio da câmera frontal e a frequência cardíaca ao pressionar o dedo contra a câmera traseira.

A coisa acontece da seguinte forma: ao solicitar a checagem respiratória, o Google Fit pede que o usuário coloque o celular em uma superfície estável e se enquadre na câmera frontal, da altura do seu peito até o rosto. Depois de alguns segundos, o app entregará os resultados, baseando-se na quantidade de inspirações feitas dentro de um minuto.

(Imagem: Divulgação/Google)
(Imagem: Divulgação/Google)

Já a frequência cardíaca, o método para análise é ainda mais curioso. Ao solicitá-lo, o usuário será indicado a pressionar seu dedo contra a câmera frontal por alguns segundos. Rapidamente, o aplicativo retornará a frequência cardíaca e registrará os dados obtidos no perfil da pessoa.

Nesse caso, os dados são extraídos graças a "alterações discretas" na coloração da ponta dos dedos. Esse detalhe, segundo a companhia, permite que o fluxo sanguíneo seja avaliado e os algoritmos inseridos no app estimam a quantidade de batimentos. Ainda assim, o app reitera que a avaliação não deve ser usada como elemento para consultas médicas, mesmo que o software já esteja adaptado a identificar os batimentos em diversos tons de pele e iluminação externa.

(Imagem: Divulgação/Google)
(Imagem: Divulgação/Google)

Uma vida saudável com o Google

Os aprimoramentos vêm logo antes do evento focado na combinação da tecnologia com a saúde na rotina. As úteis ferramentas adicionadas ao Google Fit são parte do projeto do Google de permitir que seus usuários vivam um cotidiano mais saudável, sem exigir que paguem por dispositivos adicionais para isso.

Logicamente, as avaliações pela câmera do celular não são tão precisas ou robustas quanto as obtidas por uma smartband ou smartwatch. "Os resultados não devem ser usados para fins médicos e não devem ser utilizados como diagnóstico, tratamento, cura ou prevenção de qualquer doença ou condição de saúde", alerta o Google. Ainda assim, ambas acrescentam mais uma camada de monitoramento para uma base enorme de usuários.

Como já mencionado, as adições chegarão primeiro nos smartphones do Google, mas há planos de levar a ferramenta para outros dispositivos compatíveis.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: