Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.811,88
    -447,87 (-0,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.271,70
    -436,02 (-1,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,54
    -1,31 (-3,29%)
     
  • OURO

    1.904,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    13.005,90
    -144,12 (-1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,31
    -4,11 (-1,56%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.487,25
    -176,25 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6322
    -0,0317 (-0,48%)
     

Google e Oracle se enfrentam na justiça dos EUA por direitos autorais

·2 minutos de leitura
Google e Oracle apresentaram em 7 de outubro de 2020 na Suprema Corte de Justiça dos EUA seus argumentos sobre pleito sobre direitos autorais
Google e Oracle apresentaram em 7 de outubro de 2020 na Suprema Corte de Justiça dos EUA seus argumentos sobre pleito sobre direitos autorais

Os juízes da Suprema Corte dos Estados interrogaram advogados do Google e da Oracle sobre código de computador e direitos autorais nesta quarta-feira em um processo que pode ter consequências para o setor de tecnologia e inovação digital. 

Argumentos de uma batalha legal de mais de uma década entre os dois gigantes do Vale do Silício foram ouvidos na audiência depois que a Oracle acusou a Google de copiar ilegalmente parte de sua linguagem de programação Java para desenvolver seu sistema operacional de telefone móvel Android.

O que está em debate é se a proteção de direitos autorais deve se estender a interfaces de programação de aplicativos (APIs) ou a um trecho de código que permite que aplicativos e programas funcionem juntos e, em caso afirmativo, se o Google fez um "uso justo" do material. 

Na audiência remota, o advogado da Google Thomas Goldstein argumentou que a prática de reutilizar interfaces de software "é crítica" e permite que os desenvolvedores "escrevam milhões de aplicativos criativos que são usados por mais de um bilhão de pessoas". 

O advogado disse que essas APIs eram simplesmente instruções para os programas e eram "minimamente criativas", portanto não eram elegíveis para direitos autorais. 

Ele acrescentou que a atitude da Oracle a tornaria "incrivelmente ineficiente para programar computadores". 

Joshua Rosenkranz, advogado da Oracle, disse que foi simplesmente o roubo de 11.000 linhas de código de computadores que deveriam ser protegidos por direitos autorais como trabalho "criativo". 

"A Microsoft e a Apple gastaram bilhões de dólares para criar suas plataformas e é exatamente isso que a Lei de Direitos Autorais exige", disse ele aos oito juízes do Tribunal. 

A Oracle reivindicou 9 bilhões de dólares em danos, mas dois processos diferentes foram favoráveis ao Google antes que um tribunal de apelações fosse anulado e pedisse um novo julgamento. 

Os desenvolvedores de software juntaram-se à tese do Google e de outras empresas de tecnologia de que uma vitória da Oracle garantiria a essa empresa exclusividade em novos softwares. 

A decisão do tribunal pode levar meses. 

Uma vitória clara do Google encerraria a maratona jurídica, mas se a Oracle vencer, o caso pode voltar a um tribunal inferior, potencialmente levando a um novo julgamento.

rl/ch/gm/yow/cc