Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,29
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.801,00
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    34.529,85
    +540,03 (+1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.102,00
    +4,00 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1217
    +0,0015 (+0,02%)
     

Google e Microsoft abandonam trégua de seis anos em meio a disputas pela nuvem

·3 minuto de leitura

Seis anos após decidirem realizar uma trégua judicial e resolver seus problemas de forma interna, o Google e a Microsoft voltaram a escalar sua competitividade em abril. Segundo a Bloomberg, o pacto entre as empresas já tinha passado por diversos desgastes, graças a disputas que envolviam o mundo das buscas e o pagamento a produtores de conteúdos.

A trégua entre as empresas foi firmada em 2015, em um momento no qual Sundar Pichai assumia como CEO do Google e Satya Nadella estava iniciando seus planos dentro da Microsoft. Na ocasião, as corporações decidiram resolver uma série de ações judiciais sobre patentes que estavam pendentes e colaborar para resolver pendências de forma bilateral antes de relatar problemas a reguladores do mercado.

A intenção das duas companhias era cooperar em áreas de interesse mútuo, como a inteligência artificial, eliminando os custos necessários para manter longas batalhas legais em andamento. Segundo a Bloomberg, nem mesmo o acordo foi capaz de garantir a paz entre as empresas, que entraram em disputa sobre a maneira como o Google pagaria produtores de conteúdo e a respeito de como a companhia vendia publicidade em seu sistema de buscas.

A Microsoft acredita que departamentos de marketing devem ter acesso igualitário a diferentes sistemas de busca ao organizar campanhas baseadas na tecnologia do Google. Já a empresa comandada por Pichai argumenta que a rival só se opõem a suas práticas porque vê nela uma ameaça a produtos como o Azure (de computação na nuvem) e à suíte de aplicativos Office.

Relação desgastada

Os primeiros sinais de desgastes entre as organizações surgiram há mais de dois anos, quando a Microsoft protestou quanto à maneira como o serviço Search Ads 360 funcionava. Segundo a empresa de Seattle, o sistema de buscas do Google não fornecia acesso aos recursos mais recentes do Bing — o que significa que era mais fácil comprar espaço na plataforma do Google do que no oferecido pela Microsoft.

Imagem: Divulgação/Google
Imagem: Divulgação/Google

A disputa passou pelos processos estabelecidos bilateralmente entre as corporações, mas não chegou a uma conclusão considerada satisfatória, mesmo quando Pichai e Nadella lideraram diretamente sobre o assunto. Isso levou ao acionamento de entidades regulatórias no Reino Unido e nos Estados Unidos, o que ajudou a desgastar a relação entre as empresas.

O fim da trégua surge em um momento no qual grandes empresas de tecnologia, como Microsoft, Facebook, Google e Amazon, estão sendo avaliadas de forma mais críticas por entidades regulatórias. No começo de junho, legisladores dos Estados Unidos apresentaram projetos de lei que visam limitar o poder de mercado dessas empresas, e o Departamento de Justiça do país tem acelerado sua investigação sobre as práticas que o Google exerce sobre o mercado de anúncios.

Apesar do fim do pacto de não agressão, as duas empresas continuam a cooperar em diversas áreas. Além do navegador Edge da Microsoft ser baseado na tecnologia Chromium do Google, a empresa revelou recentemente que o Windows 11 vai chegar aos consumidores com a capacidade de rodar aplicativos do Android através da loja desenvolvida pela Amazon.

No entanto, isso não significa que a convivência entre as duas é pacífica: o Google tem feito diversos questionamentos sobre a segurança de softwares como o Microsoft Exchange, e pode exercer pressão sobre reguladores para dificultar aquisições como a da Nuance Communications, pela qual foram pagos US$ 20 bilhões. Enquanto isso, a empresa de Seattle deve continuar questionando o domínio da rival no campo das buscas e continuar trabalhando para minimizar o impacto das ferramentas de produtividade oferecidas por ela.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos