Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.000,72
    -2.205,27 (-9,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Google e Apple são pressionadas por rastreio de buscas sobre aborto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Legisladores dos EUA pediram à Comissão Federal de Comércio (FTC, em inglês) para investigar as práticas de aderência dos sistemas dos sistemas operacionais para celular do Google e da Apple. A justificativa, segundo o Wall Street Journal, seriam a possibilidade de que identificadores de internet dessas empresas estejam sendo usados para rastrear mulheres que buscam informações sobre abortos.

A notícia se torna ainda mais sensível, pois surge poucos dias após a Suprema Corte dos EUA derrubar Roe v. Wade, um caso judicial de 1973, e com issso devolveram aos estados a prerrogativa de proibir ou não a prática do aborto.

Três senadores e uma deputada norte-americana acusaram as duas big techs de permitir a coleta e venda de dados dessas pessoas. Isso foi possível por conta de identificadores específicos de anúncios no Android e iOS, afirmaram os legisladores em uma carta à presidente da FTC, Lina Khan.

Elizabeth Warren, Cory Booker, Ron Wyden e Sara Jacobs escreveram que o Google e a Apple "conscientemente facilitaram essas práticas nocivas, criando identificadores de rastreamento específicos de publicidade em seus sistemas operacionais móveis". Os políticos democratas temem que o mercado de data brokers (vendedores de compilados de dados pessoais) e as leis estaduais de recompensa incentivem pessoas físicas a atacarem mulheres que procuram abortos.

Elizabeth Warren, uma das congressistas que assinaram carta para FTC investigar Google e Apple (Imagem: Reprodução/Gage Skidmore/Wikimedia Commons)
Elizabeth Warren, uma das congressistas que assinaram carta para FTC investigar Google e Apple (Imagem: Reprodução/Gage Skidmore/Wikimedia Commons)

Google e Apple limitaram coleta de dados, mas não o bastante

Em maio, mais de 40 congressistas dos Estados Unidos publicaram uma carta aberta ao Google pedindo o fim da coleta e armazenamento de dados de localização dos smartphones com Android, também por conta da possível proibição do aborto em todo o território americano.

Embora ambas as empresas tenham limitado a coleta de dados pessoais nos últimos anos, os parlamentares dizem que esses identificadores ainda facilitam o rastreamento da localização de donos de telefones individuais.

No ano passado, a Apple introduziu uma nova medida de privacidade como parte do iOS 14.5 chamada App Tracking Transparency, exigindo que os desenvolvedores de apps obtenham permissão antes de coletar um identificador exclusivo em cada aparelho iOS. O Google também lançou um novo identificador de publicidade no final do ano passado que limita o rastreamento em aplicativos Android.

"Até recentemente, no entanto, a Apple permitia esse identificador de rastreamento por padrão e exigia que os consumidores buscassem nas confusas configurações do telefone para desligá-lo", afirmou a carta. "O Google ainda permite esse identificador de rastreamento por padrão, e até recentemente nem sequer forneceu aos consumidores uma opção de desativá-lo"

O Google e a Apple não responderam aos pedidos de resposta do Android Central, que replicou a reportagem do Wall Street Journal. O Canaltech contatou as duas empresas no Brasil e aguardam seu posicionamento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos