Mercado abrirá em 7 h 21 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,66
    -0,10 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.801,90
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    23.886,79
    +487,25 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,67
    +14,80 (+2,73%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.114,34
    +68,57 (+0,34%)
     
  • NIKKEI

    27.995,80
    -253,44 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    13.212,00
    +28,75 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2117
    +0,0023 (+0,04%)
     

Google e Amazon podem liberar imagens de webcams à polícia em emergências

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Uma reportagem publicada na imprensa estadunidense revelou que tanto Google quanto Amazon consideram o compartilhamento de imagens de câmeras e registros de sistemas de segurança a forças policiais sem o devido mandado, em caso de emergência. As citações aparecem nos termos de uso de produtos e tecnologias das duas empresas e levantaram questões quanto à privacidade dos dispositivos e, também, um eventual mau uso dessa permissão pelas autoridades.

Os termos se referem, por exemplo, a campainhas inteligentes e outros sistemas de segurança da Amazon, bem como a câmeras e aparelhos de automação doméstica da marca Nest, do Google. Os dispositivos não são vendidos oficialmente no Brasil, mas mesmo estes estariam sujeitos aos termos de uso de suas contrapartes norte-americanas, que consideram solicitações de informação das autoridades em caso emergencial.

Seriam, por exemplo, em situações em que há risco de morte ou dano físico grave. Em seus termos de uso, o Google cita alguns exemplos como ameaças de bomba, sequestros, prevenção de suicídios, desaparecimento de pessoas ou temores quanto a tiroteios em escolas; casos em que a ação rápida das forças policiais é exigida, onde não há tempo para seguir o devido processo legal para obtenção de um mandado judicial.

A gigante, por outro lado, não inclui em seus relatórios de transparência quantos aceites desse tipo foram dados, enquanto um porta-voz da Nest disse que os usuários dos dispositivos são notificados quando uma solicitação assim é aceita — mas apenas depois que a emergência já foi resolvida. Nos termos, a empresa diz ainda que todas as situações são analisadas à luz de suas próprias políticas e também das leis em vigor.

Já a Amazon informou ter atendido 11 pedidos assim, mas não esclareceu se os responsáveis pelos aparelhos também foram avisados sobre isso. Ainda falando sobre isso, a companhia de e-commerce afirmou que analisa as solicitações caso a caso e que já negou pedidos semelhantes quando avaliou que as forças policiais poderiam solicitar mandados de emergência para ter acesso a imagens e informações.

Outras marcas de produtos de automação doméstica se posicionaram contra tais termos, como a Anker e a Arlo. As fabricantes lembraram, ainda, que as leis americanas até permitem a troca de dados em caso de emergência, mas que nenhuma das empresas é obrigada legalmente a fazer isso, ao contrário do que acontece quando há um mandado. A Apple também se pronunciou, afirmando que não entrega informações de aparelhos conectados a seu sistema HomeKit sem a devida ordem judicial.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos