Mercado abrirá em 7 h 24 min
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,05
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.812,30
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    29.067,33
    -931,25 (-3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    647,57
    -23,11 (-3,45%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.140,56
    -503,72 (-2,44%)
     
  • NIKKEI

    26.435,27
    -475,93 (-1,77%)
     
  • NASDAQ

    11.925,75
    -9,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2326
    +0,0143 (+0,27%)
     

Google demite pesquisador de IA após questionamentos de artigo acadêmico

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Google demitiu um pesquisador após ele e sua equipe terem enviado um e-mail interno para a organização questionando um artigo cientifico publicado pela gigante de tecnologia. Essa é a segunda demissão em menos de dois anos pelo mesmo motivo na corporação.

O artigo em questão abordava o tópico que computadores, mais especificamente Inteligências Artificiais, poderiam criar arquiteturas para chips de forma mais rápida do que humanos, de autoria do Google e publicado em 2020 na Nature, conhecida revista acadêmica.

Em março desse ano, Satrajit Chatterjee, pesquisador de IA do Google, enviou um e-mail para a organização questionando algumas das colocações do artigo, e também levantou a possibilidade de a tecnologia não ter sido totalmente testada pelos autores do conteúdo — inclusive escrevendo um artigo refutando as ideias publicadas em 2020, mas que foi recusado pela empresa e não chegou ao ponto de ser distribuído para periódicos científicos.

Sobre a demissão do pesquisador, o Google afirmou para o The New York Times que checou e testou todas as informações contidas no artigo, além de ter investigado os comentários de Chatterjee e identificado que eles não procediam.

Demissão não é a primeira envolvendo setor de IA do Google

<em>Setor de IA do Google foi responsável por três demissões na empresa nos últimos dois anos. (Imagem: Nathana Rebouças/Unsplash)</em>
Setor de IA do Google foi responsável por três demissões na empresa nos últimos dois anos. (Imagem: Nathana Rebouças/Unsplash)

Essa é a terceira demissão do Google em menos de dois anos relacionada ao seu setor de pesquisa de IA. A primeira ocorreu em dezembro de 2020, quando a empresa terminou o contrato com Timnit Gebru, na época uma das líderes da pesquisa ética de Inteligência Artificial, após ela ter escrito e publicado um artigo alertando sobre o perigos de vieses nessas tecnologias.

Segundo o Google, Gebru foi demitida por não ter publicado o artigo a partir dos canais necessários na corporação.

Dois meses depois, em fevereiro de 2021, o Google demitiu Margaret Mitchell, que trabalhava junto de Gebru, por violações no código de conduta da empresa. A companhia teve acesso a mensagens enviadas pela pesquisadora em que ela tratava de forma discriminatória sua ex-colega na organização.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos