Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.045,02
    -5.096,03 (-8,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Google critica posição da Microsof sobre pagamento a veículos jornalísticos

·2 minuto de leitura
(Arquivo) A Google criticou a Microsoft por apoiar os governos que buscam obrigar as plataformas a remunerar os veículos jornalísticos por sua produção de notícias

A Google mirou nesta sexta-feira na Microsoft, acusando a rival tecnológica de "distração" por apoiar os governos que buscam obrigar as plataformas a remunerar os veículos jornalísticos por sua produção de notícias.

Em seu blog, a Google afirmou que a Microsoft tenta desviar a atenção do ataque potencialmente devastador aos servidores de correio Exchange realizados por hackers que se aproveitam das vulnerabilidades do software. O comentário é feito em meio a uma batalha acalorada envolvendo os esforços empreendidos na Austrália e em outros lugares para exigir que as plataformas negociem o pagamento pelo conteúdo jornalístico.

Google e Facebook resistem aos pagamentos obrigatórios, enquanto a Microsoft opta por uma postura de colaboração. Em carta dirigida a uma audiência no subcomitê do Congresso, o presidente desta última, Brad Smith, culpa o modelo de negócios da Google por "devorar" a receita de publicidade da qual as empresas de notícias dependem.

O vice-presidente de negócios globais da Google, Kent Walker, respondeu no blog criticando a conduta da Microsoft: "Fazem agora afirmações egoístas e estão dispostos, inclusive, a romper com a forma como trabalha a web aberta, em um esforço para eliminar um rival. Este debate importante deve ser sobre a essência da questão, e não ser desviado por mero oportunismo corporativo."

Em sua carta, Brad Smith elogia o papel das organizações de notícias na defesa da democracia e reconhece que "a internet destruiu o já debilitado negócio da informação local, devorando as receitas com publicidade e atraindo os assinantes".

A Microsoft pressionou para que outros países sigam o exemplo da Austrália, ao pedir que os veículos jornalísticos sejam pagos pelas notícias publicadas na internet, medida à qual se opõem Facebook e Google. "As notícias fazem parte, hoje, do ecossistema tecnológico, e todos nós que participamos desse ecossistema temos tanto a oportunidade quanto a responsabilidade de ajudar o jornalismo a prosperar", assinalou Smith.

Os defensores da Google e do Facebook afirmam que o pagamento obrigatório pelos links de notícias mudariam totalmente a forma como a internet trabalha e acabariam prejudicando, em última instância, os serviço gratuitos oferecidos on-line.

gc/rl/rs/gma/lb