Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.889,84
    -151,00 (-0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    372,59
    +2,08 (+0,56%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3379
    -0,0590 (-0,92%)
     

Google chega a acordo com mídia francesa sobre direitos afins

·1 minuto de leitura
Foto mostra página com logomarca da Google
Foto mostra página com logomarca da Google

A Google anunciou nesta quinta-feira a assinatura de acordos com um "determinado número" de meios de comunicação franceses, como o jornal Le Monde, no âmbito das negociações sobre direitos conexos, para as plataformas de remuneração da imprensa pela publicação dos seus conteúdos.

“Atualmente, mantemos conversas com outros atores da imprensa diária nacional e regional, bem como com revistas”, acrescentou a gigante americana em um blog. 

A Google inicialmente se recusou a pagar à imprensa francesa, mas a Autoridade da Concorrência ordenou que negociasse com a mídia. 

Os direitos conexos foram votados no Parlamento Europeu em 2019 para que as plataformas digitais remunerassem os meios de comunicação pela publicação dos seus conteúdos, nomeadamente vídeos e fotos. 

Além desses primeiros acordos individuais, a Google continua a negociar com a General Information Press Alliance sobre um acordo-quadro, cujas negociações devem ser concluídas "antes do final do ano". 

“Este avanço permite remunerar a imprensa em França de acordo com a lei dos direitos conexos, segundo critérios objetivos, transparentes e não discriminatórios, como a contribuição do meio para a informação política e geral, o seu volume diário de publicações, a sua audiência mensal na internet, bem como o uso de conteúdo em nossos sites", disse Sébastien Missoffe, CEO do Google França, na postagem do blog. 

Além da França e da União Europeia, a questão de como as plataformas pagam pelo conteúdo da imprensa surge em todo o mundo. 

A Austrália, por exemplo, quer forçar a Google e o Facebook a pagar sua mídia local. 

Recentemente, o CEO do Google, Sundar Pichai, anunciou que a gigante americana investirá um bilhão de dólares em colaborações com a imprensa de todo o mundo.

sr/fmp/app/mb/cc