Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.373,40
    -1.558,22 (-3,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Google cede às normas de privacidade da Apple e atualiza Gmail depois de 3 meses

Igor Almenara
·2 minuto de leitura

O Google finalmente atualizou o app do Gmail para iOS. Desde dezembro sem qualquer pacote disponível para download, a gigante parecia se esquivar da nova política de privacidade implementada no sistema operacional da Apple. Sem opções, a dona do Android dá fim ao silêncio e disponibiliza o primeiro update de 2021 ao seu aplicativo de e-mail.

Assim que atualizado o app, os usuários do iOS serão alertados sobre quais dados são coletados no Gmail e poderão aceitar ou não o compartilhamento das informações. Na página do Gmail, o registro do que foi coletados ficam devidamente discriminados em uma extensa lista que pode espantar o usuário de iPhone.

(Imagem: Phone Arena/Reprodução)
(Imagem: Phone Arena/Reprodução)

De acordo com a página oficial, o Gmail coleta informações relacionadas a compras (atreladas ao endereço de e-mail), localização, informações de contato, contatos salvos, conteúdo do usuário, histórico de pesquisa, identificadores, controle de dados móveis, diagnósticos de sistema e outros. Até agora, o Google não justificou nenhuma das exigências do aplicativo.

Chegando “na maciota”

Certamente, o Google se viu intimidado pela briga entre o Facebook e a Apple e esperou algum desdobramento positivo para o lado de Mark Zuckerberg para liberar atualizações dos apps do seu ecossistema. Sem saída, a gigante cedeu e liberou a atualização — acompanhada por uma alarmante coleta de dados.

Essa teoria é reforçada pelas evidências anteriores. No início deste mês, alguns aplicativos da companhia denunciavam que “estavam desatualizados” nos iPhones, entretanto não havia qualquer download disponível na página da App Store. A notificação levantou a suspeita de que o Google estava adiando a distribuição dos pacotes, mas atualizando-os no servidor — que entregou a prática ao acusar as versões datadas.

Outros apps da companhia ainda precisam ser atualizados. Atualmente, os demais aplicativos para iOS estão há mais de três meses sem receber novidades. É provável que o Google libere as atualizações gradativamente para evitar chamar a atenção da comunidade do iOS e da mídia especializada, considerando que o total de dados coletados pode ser ainda mais assustador.

Da mesma forma, não há previsão para o lançamento das atualizações dos demais aplicativos. O Google, por sua vez, desmente a teoria de que tenta driblar as novas regras do iOS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: