Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,34
    +0,58 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.806,30
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    20.354,53
    +291,42 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,27
    +4,80 (+1,11%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.326,56
    -66,48 (-0,25%)
     
  • NASDAQ

    11.523,75
    -5,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5000
    -0,0056 (-0,10%)
     

Google apresenta projetos para garantir eleições mais transparentes e diversas

Em um compromisso com as eleições brasileiras de 2022 o Google anunciou nesta terça (14) um conjunto de novidades para tornar o processo mais rico, transparente e diverso para cidadãos, jornalistas, pesquisadores, gestores públicos e, claro, candidatos.

A primeira das novidades é o “Eleições na Busca 2022”, um relatório disponível em formato impresso ou digital que reúne dados do Google Trends sobre as buscas feitas por brasileiros. O documento apresentará, num lugar só, os principais anseios e angústias dos cidadãos, como economia, segurança e saúde nos últimos anos.

Relatórios e informações do Google Trends serão semelhantes aos apresentados nas eleições de 2018 e 2020 (Imagem: Reprodução/Google)
Relatórios e informações do Google Trends serão semelhantes aos apresentados nas eleições de 2018 e 2020 (Imagem: Reprodução/Google)

O documento será de grande valor para jornalistas e pesquisadores que, de olho nas tendências, poderão observar as principais preocupações do país refletidas nos assuntos pesquisados. Além disso, o buscador também contará com uma “central de Google Trends” preparado para as Eleições Presidenciais de 2022, em que serão dispostos dados em tempo real sobre candidatos, partidos e perguntas sobre campanhas e “maiores tendências do ciclo eleitoral”.

A primeira edição do relatório “Eleições na Busca 2022” será publicado em julho deste ano (sem data específica), enquanto o centro do Google Trends irá ao ar em 16 de agosto.

Relatório de Transparência de Publicidade Política

Em sentido semelhante, o Google apresentou também o Relatório de Transparência de Publicidade Política. A papelada digital será um aglomerado de informações sobre anunciantes e anúncios feitos no Brasil nos próximos dias, com detalhes sobre publicidades relacionadas a candidatos a cargos federais, partidos e governantes eleitos nas plataformas do Google, mesmo quando não houver pedido de voto.

O relatório de publicidade política ficará disponível num site próprio (Imagem: Reprodução/Google)
O relatório de publicidade política ficará disponível num site próprio (Imagem: Reprodução/Google)

Para o Google, “publicidade eleitoral” é todo o material publicitário que menciona partidos políticos, candidatos para cargos de alto nível federal ou atuais titulares desses cargos.

“Em outubro, os brasileiros vão às urnas para mais uma Eleição e, como parte de nosso compromisso com a integridade do processo eleitoral no Brasil, temos trabalhado em uma série de novidades para conectar os eleitores com informações importantes sobre as Eleições e, assim, permitir uma participação social mais informada”, comentou o diretor de políticas públicas e relações governamentais do Google Brasil, Marcelo Lacerda.

O Relatório de Transparência de Publicidade Política estará disponível num site próprio — atualmente, o Brasil ainda não foi listado. No primeiro momento, somente publicidade eleitoral de nível federal será incluída no documento, incluindo anúncios que foram exibidos e removidos por violações às políticas da plataforma, acompanhado por seus respectivos autores e valores investidos.

Apoio a ONGs brasileiras

A fim de promover diversidade na política, o Google apresentou os nomes das Organizações Não Governamentais (ONGs) que receberam apoio financeiro de R$ 1,5 milhão do Google.org, entidade filantrópica do Google. O reforço servirá para a execução de projetos que contribuem para a ascensão e estruturação política de grupos com baixa representatividade em cargos eletivos.

Confira as iniciativas apoiadas pelo Google.org:

  • #VoteLGBT: pesquisa sobre participação de pessoas LGBTQIA+ na política;

  • Candidatas nas redes: elaborado pelo Instituto Alziras, o projeto conta com conteúdo exclusivo para “instrumentalizar candidatas e suas equipes para a dinâmica eleitoral de 2022;

  • +Representatividade: criado pelo Instituto Update, trata-se de um programa de intercâmbio, formação e mentoria para iniciativas que atuam pela ampliação da diversidade na política — este ano, com foco nas candidaturas de pessoas negras e povos indígenas;

  • Saferlab: um laboratório criativo de ideias da Safernet Brasil, ONG que reúne especialistas em tecnologia e bacharéis em direito para promover direitos humanos na internet;

  • Estamos Prontas: erguido pelo Instituto Marielle Franco e pelo movimento Mulheres Negras Decidem, a iniciativa promove o fortalecimento de mulheres negras como líderes;

  • Saúde Menal na Eleição — Candidatas 2022: promovido pelo Vita Alere, o projeto busca fortalecer a saúde mental de mulheres para que realizem suas candidaturas e, a partir das próximas eleições, alcancem maior representatividade política.

Essas propostas somam aos esforços do projeto Redes Cordiais, também apoiado pelo Google, que foca na capacitação de mulheres na proteção pessoal de ataques online. Além disso, a iniciativa também conta com parceria do conteúdo InternetLab, este focado na educação digital sobre o uso das redes sociais para evitar potenciais impactos negativos que a exposição na internet pode causar às mulheres.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos