Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.286,43
    +887,71 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Google anuncia investimento de US$ 7 bi nos EUA e 10.000 vagas

·1 minuto de leitura
(Arquivo) A Google investirá mais de US$ 7 bilhões em infraestrutura nos Estados Unidos este ano e vai gerar milhares de postos de trabalho - disse o CEO do gigante tecnológico, Sundar Pichai

A Google investirá mais de US$ 7 bilhões em infraestrutura nos Estados Unidos este ano e vai gerar milhares de postos de trabalho - disse o CEO do gigante tecnológico, Sundar Pichai, nesta quinta-feira (18).

"Planejamos investir mais de US$ 7 bilhões em escritórios e centros de dados nos Estados Unidos e criar pelo menos 10.000 novos empregos de tempo integral", afirmou Pichai, em um comunicado.

"A Google quer ser uma parte integral" da recuperação econômica, disse. "Isso inclui investir em lugares que são novos para a Google e ampliar em outros, em 19 estados" do país.

Milhares de novos empregos estão previstos em Atlanta, a capital federal Washington, Chicago e Nova York, detalhou Pichai.

Também planeja ampliar os centros de dados da Google em Nebraska, Carolina do Sul, Virgínia, Nevada e Texas.

O anúncio ocorre quando o gigante da tecnologia e líder mundial em propaganda online enfrenta várias acusações nos Estados Unidos por práticas de monopolização invocadas no final de 2020.

Em outubro passado, o Departamento da Justiça e cerca de 10 estados iniciaram um processo civil contra a Google: acusam o grupo de manter um "monopólio ilegal" sobre o serviço de busca online e a publicidade.

De acordo com os promotores, a empresa de Mountain View impede potenciais concorrentes de ganhar participação no mercado garantindo, por exemplo, que é o mecanismo de busca padrão.

Impulsionada pela publicidade online na temporada de Natal, a Alphabet - empresa matriz da Google - superou amplamente as expectativas quando anunciou em fevereiro seus resultados para o último trimestre de 2020, com um lucro líquido de 15,2 bilhões de dólares, um aumento de 50% em relação ao ano anterior.

wat/leg/ll/tt/aa