Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.124,45
    -230,12 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Google abre I/O com ópera produzida por aprendizado de máquina

·2 minuto de leitura
Google abre I/O com ópera produzida por aprendizado de máquina
Google abre I/O com ópera produzida por aprendizado de máquina

O evento Google I/O 2021 começou com um número musical diferente nesta terça-feira (18). Uma ópera de bolhas se juntou a dois músicos do Tune-Yards no palco, como parte do experimento do Google Arts & Culture com o artista David Li. A Blob Opera é um projeto de aprendizado de máquina, em que cantores de verdade emprestaram suas vozes para criar a banda interativa.

“Cantores de ópera usam suas vozes como instrumentos musicais expressivos e belos e eu estava interessado na ideia de fazer versões interativas dessas vozes, para que qualquer pessoa pudesse tocar com elas”, explicou David Li, sobre o projeto que começou no final de 2020.

Leia mais:

Antes do lançamento, em dezembro, a equipe de produção juntou amostras de vozes dos cantores de ópera. Quatro artistas gravaram sozinhos em estúdios para produzir diferentes sons, para ensinar o computador a cantar. “Imagine tentar criar um tipo de mapa de som com diferentes elementos – vogais, consoantes, todas as notas diferentes – e, em seguida, reunir tudo para treinar um algoritmo”, explicou a produtora da Google Pamela Peter-Agbia, que levou o experimento musical ao I/O.

Os cantores que emprestaram suas vozes para a Blob Opera. Imagem: Google/Divulgação
Os cantores que emprestaram suas vozes para a Blob Opera. Imagem: Google/Divulgação

Foram usadas 16 horas de cantoria para alimentar a Rede neural convolucional, que aprendeu a reproduzir cada tipo de voz baseado no que ouvia. Dois modelos foram criados, sendo um que ensinou o computador a cantar e outro que ensinou harmonia, fechando tudo na Blob Opera.

O conjunto musical virtual ganhou um novo visual para o Google I/O e, além da apresentação, estará disponível online, onde qualquer um pode interagir. A Blob Opera pode também ir para diferentes ligares, com um setlist adaptado para que as bolhas cantem músicas tradicionais e locais.

O site do Google Arts & Culture disponibiliza os experimentos e é possível, pelo aplicativo para Android ou iOS, descobrir mais sobre as performances.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!