Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,16
    -1,12 (-1,47%)
     
  • OURO

    1.750,00
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.388,40
    -86,37 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    384,93
    +2,28 (+0,60%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.131,68
    -151,35 (-0,54%)
     
  • NASDAQ

    11.690,50
    -92,25 (-0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6174
    -0,0070 (-0,12%)
     

Google é multado em R$ 2,1 bilhões por coleta indevida de dados de localização

O Google fechou um acordo judicial de US$ 391,5 milhões (cerca de R$ 2,1 bilhões) com 40 estados dos Estados Unidos devido à coleta inapropriada de dados dos usuários. Segundo um comunicado do procurador-geral de Nova Jersey, esse é o maior acordo alcançado em um caso relacionado à proteção de informações pessoais no país.

A investigação, liderada pelos estados de Oregon e Nebraska, aponta que a empresa violou o direito à confidencialidade dos consumidores ao recolher informações de geolocalização sem autorização para fins publicitários. A empresa ofereceu configurações separadas para controlar os dados de localização.

Mesmo após os usuários desligarem o seu Histórico de Localização, a opção Atividade na Web e de Apps continuava coletando os dados. Um porta-voz do Google disse à agência AFP que a investigação se baseava em regras desatualizadas e foi encerrada devido às melhorias realizadas nos últimos anos.

O acordo com 40 estados norte-americanos define que o Google pague mais de R$ 2 bilhões (Imagem: Reprodução/PhotoMIX Company/Pexels)
O acordo com 40 estados norte-americanos define que o Google pague mais de R$ 2 bilhões (Imagem: Reprodução/PhotoMIX Company/Pexels)

O acordo determina que a empresa terá que indicar com mais clareza quais dados de geolocalização serão coletados. “O Google não pode fingir que fornece aos usuários ferramentas para controlar suas informações pessoais e depois ignorar esses recursos para coletar e vender dados a anunciantes, contrariando o pedido expresso dos usuários da Internet”, disse Matthew Platkin, procurador-geral de Nova Jersey.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: