Mercado fechará em 1 h 36 min
  • BOVESPA

    120.992,06
    +1.071,45 (+0,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.205,44
    +270,53 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,79
    +0,08 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.832,50
    +16,80 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    57.908,14
    +1.061,47 (+1,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.494,19
    +58,40 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.231,07
    +29,45 (+0,70%)
     
  • DOW JONES

    34.761,56
    +213,03 (+0,62%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.696,00
    +98,25 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3482
    -0,0184 (-0,29%)
     

Google é condenado na Austrália por coletar dados de localização

·1 minuto de leitura
Google é condenado na Austrália

Um tribunal australiano determinou, nesta sexta-feira (16), que o Google enganou os consumidores sobre a coleta de dados de localização por meio de dispositivos móveis com sistema Android.

Segundo o tribunal federal, o Google violou a legislação australiana do consumidor, ao coletar o "histórico de localização" de alguns usuários, mesmo quando eles optaram por não compartilhar essa informação.

A Justiça disse ainda que o Google não deixou claro para os usuários que permitir o rastreamento de atividades de aplicativos e de Internet em seus telefones também significava dar permissão para reter dados de localização.

Esse tipo de dado pode ser muito valioso para anunciantes que tentam oferecer produtos e serviços relacionados à localização.

A Comissão Australiana de Concorrência e do Consumidor (ACCC, na sigla em inglês), que apresentou a ação contra o Google, disse que a sentença desta sexta-feira é "pioneira no mundo" nesta questão.

"Trata-se de uma importante vitória para os consumidores, especialmente aqueles preocupados com sua privacidade na Internet, e a decisão do tribunal envia uma mensagem contundente ao Google e outras empresas de que as grandes companhias não devem enganar seus clientes", disse o presidente da ACCC, Rod Sims.

Após a decisão, a ACCC anunciou que vai pedir "sanções pecuniárias" e outras medidas que deverão ser determinadas mais à frente.

O Google protestou contra a decisão, observando que o tribunal rejeitou outras alegações mais gerais da ACCC e que apenas se referia a uma classe muito definida de usuários.

dm/jah/pc/tt