Mercado abrirá em 6 h 18 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,09
    -0,17 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -10,80 (-0,59%)
     
  • BTC-USD

    38.367,37
    -1.399,70 (-3,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,19
    -29,70 (-3,09%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.102,04
    -133,76 (-0,51%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.982,00
    +29,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1203
    -0,0238 (-0,39%)
     

Golpistas usam fotos de redes sociais para pedir dinheiro a conhecidos da vítima

·2 minuto de leitura

Criadas para nos conectar com outras pessoas e permitir o contato virtual com amigos e parentes, as redes sociais também são um prato cheio para pessoas mal intencionadas. Usando fotografias publicadas pelos usuários e informações obtidas a partir de seus perfis, muitos criminosos realizam uma série de ataques pela internet.

O procedimento usado por eles é sempre semelhante: através do WhatsApp ou outro programa semelhante, eles enviam uma mensagem avisando que trocaram de número de celular e que precisam de dinheiro de forma urgente. Para convencer a vítima, eles usam fotografias e nomes com os quais elas são familiares, o que diminui o cuidado do alvo — o resultado é uma transferência que cai na conta dos criminosos, que desaparecem em seguida.

Um caso do tipo aconteceu no último dia 18 com uma idosa de 78 da cidade de Santos (SP). Conforme relatado pelo site Atribuna.com.br, um criminoso usando uma foto de seu filho a convenceu a transferir R$ 2.852,90 via Pix alegando que estava tendo problemas com seu cartão de crédito. Para aplacar qualquer desconfiança, o golpista afirmou estar usando um novo número de telefone fornecido por sua empresa.

Como se proteger do golpe?

Ao Bom Dia Paraná, o delegado Edgard Soriani, de Londrina, afirmou que é possível se proteger dos golpistas usando algumas soluções simples. A mais simples é pedir que a pessoa que solicita valores através do celular usando um número desconhecido faça uma ligação telefônica para confirmar sua identidade.

Outra solução semelhante é usar os recursos de videoconferência de plataformas como o WhatsApp para fazer esse processo. Soriani explica que os criminosos sempre possuem um roteiro bem definido e um senso de urgência em seus pedidos, tentando diminuir a desconfiança das vítimas.

Outra maneira de se proteger da ação dos golpistas é prestar atenção a ferramentas dos comunicadores usados. O WhatsApp, por exemplo, envia uma mensagem alertando quando algum de seus contatos na plataforma alterou o número de telefone associado — a ausência desse aviso também pode servir de alerta sobre os golpes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos