Mercado abrirá em 9 h 26 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,41
    -0,04 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.719,20
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.003,87
    -339,95 (-1,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,08
    -8,05 (-1,74%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.820,93
    -191,22 (-1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.149,76
    -161,54 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.540,50
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1012
    -0,0123 (-0,24%)
     

Golpistas se passam por advogados para enganar clientes; saiba como se proteger

Golpistas estão se aproveitando de pessoas com pendências na justiça para aplicação de golpes. Passando-se por advogados, os criminosos enviam cartas registradas ou mensagens personalizadas via WhatsApp. Para atrair as vítimas, os fraudadores alegam que podem acelerar o andamento das ações mediante o pagamento de um valor em dinheiro.

Para realizar a fraude, os golpistas usam de técnicas de engenharia social para obter informações dos titulares dos processos e de seus advogados. Em seguida, uma conta do WhatsApp é falsificada com o nome e a foto do profissional responsável pela ação, depois disso, entram em contato com a vítima e fazem a falsa proposta.

Como os golpistas agem

Para levantar os dados, os criminosos levantam quais escritórios cuidam de causas contra a administração pública, que possuem muitos clientes com pagamentos pendentes na justiça. Os fraudadores também podem pesquisar a fila de pagamento de precatórios nos sites dos Tribunais de Justiça.

Nestes sites, é possível acessar os números dos processos e, dentro do sistema do tribunal, conseguem consultar e obter dados de contato das pessoas. Essas informações podem ser acessadas mediante a entrada nas plataformas da justiça com o uso de credenciais de advogados e promotores, que, em geral, são laranjas.

A abordagem dos criminosos envolve o oferecimento do pagamento da indenização em um período menor do que o esperado. Eles ponderam que, para isso, seria necessário o pagamento de um valor para custear documentos que estariam em falta, e passam uma chave Pix para que a vítima faça uma transferência, quando o valor é transferido, a pessoa é bloqueada.

Uma outra estratégia envolve o contato com a vítima por meio de uma carta registrada, com identidade visual idêntica à de uma comunicação judicial. A carta também inclui dados do advogado responsável pela ação e uma descrição da situação. A correspondência também tem um QR Code para pagamento via Pix.

Como se proteger do golpe

Para evitar cair neste tipo de golpe, é necessário ter bastante atenção e sempre entrar em contato com o escritório de advocacia ou com o profissional responsável pela ação por meios oficiais de comunicação, como telefone, e-mail ou até presencialmente, caso receba uma carta. Também desconfie se o advogado quiser fazer contato alegando ter trocado de número.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: