Mercado fechará em 2 h 42 min
  • BOVESPA

    111.388,64
    -2.405,64 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.580,36
    -611,97 (-1,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,87
    -0,74 (-1,02%)
     
  • OURO

    1.752,60
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    47.562,01
    -443,05 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.207,09
    -18,44 (-1,51%)
     
  • S&P500

    4.437,53
    -36,22 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    34.575,78
    -175,54 (-0,51%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2015
    +0,0167 (+0,27%)
     

Golpista do “falso romance” roubou US$ 1,8 milhão de idosos nos EUA

·2 minuto de leitura

Um esquema de “falso romance” gerou prejuízos de US$ 1,8 milhão para um grupo de homens e mulheres dos Estados Unidos, principalmente idosos, que eram ludibriados a enviar dinheiro a um golpista que fazia promessas de relacionamento. O responsável pelo crime era um reservista das Forças Armadas dos EUA, que foi condenado a três anos e dez meses de prisão, além de ser obrigado a restituir os valores às vítimas.

Joseph Asan Jr. fez 69 vítimas entre fevereiro de 2019 e outubro de 2019, levantando um alerta para um tipo de fraude antiga, que vem desde os idos da internet, mas tem ganhado ares de cooperação internacional e elementos envolvendo a falsificação de e-mails em nomes de empresas e instituições reais. Além do reservista, também foi condenado um homem chamado Charles Ifeanyi Ogozy, com ambos trabalhando ao lado de associados na Nigéria para lavar o dinheiro obtido a partir do golpe.

A dupla assumiu identidades falsas e realizou contatos online com as vítimas, e uma vez que o romance era estabelecido, começavam os pedidos de transferências em dinheiro, com a alegação de problemas financeiros, pagamentos de viagens ou questões de saúde familiares. Ao mesmo tempo, a fraude de e-mail também era realizada contra trabalhadores de grandes empresas dos EUA, em nome de parceiros comerciais, clientes ou outras pessoas de interesse, também com foco em obter transferências irregulares.

Pelo menos dez contas bancárias em oito instituições de diferentes países foram abertas em nomes de empresas fantasmas. A partir delas, o dinheiro era transferido dos EUA e pulverizado por terceiros, que não foram identificados pela justiça americana, que também não falou sobre o que era feito com os valores uma vez que eles saíam do país.

O alerta sobre o caso, feito pelos especialistas da ESET, também se encontra com um comunicado feito pelo FBI, indicando um aumento vertiginoso nos golpes de romance durante o período da pandemia. De acordo com as autoridades americanas, foram US$ 304 milhões roubados das vítimas ao longo do ano passado, um crescimento de 50% em relação a 2019 e o quádruplo do que foi registrado em 2016, quando a agência de segurança começou a realizar este levantamento.

As medidas de atenção valem, inclusive, para os brasileiros, que também podem ser vítimas de criminosos agindo internacionalmente, como no caso citado, ou de maneira local. Normalmente, os criminosos pedem valores pequenos, que nos EUA são de, em média, US$ 2.500, e alegam urgência, atingindo o emocional das vítimas envolvidas sentimentalmente e acreditando nas promessas de romance.

O ideal é evitar realizar tais transferências ou até mesmo cair nestes papos a não ser que se tenha a certeza de quem está do outro lado da comunicação. Desconfie de perfis com poucos contatos ou criados recentemente e busque outras referências; a recusa em realizar chamadas de voz ou vídeo também é um indicativo de que o príncipe encantado pode não ser quem afirma.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos