Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,40
    +0,25 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.811,90
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,48
    +54,71 (+5,90%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.492,24
    +65,69 (+0,25%)
     
  • NIKKEI

    27.637,72
    +53,64 (+0,19%)
     
  • NASDAQ

    15.094,75
    +21,25 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1445
    +0,0262 (+0,43%)
     

Golpeada pela pandemia, UE registrou recorde de mortes em 2020

·2 minuto de leitura
O número de mortos aumentou em todos os países da UE durante este período, mas particularmente na Itália, com 111.700 mortes, 18% a mais do que no ano anterior

A União Europeia (UE) registrou em 2020 o maior número anual de mortes verificadas em 60 anos, em função da pandemia do coronavírus, o que contribuiu para uma leve redução da população no bloco - informou a agência Eurostat nesta sexta-feira (9).

De acordo com esta instituição, os países da UE registraram um total de 5,2 milhões de óbitos em 2020. Trata-se de um forte crescimento de 11% em relação a 2019, quando as mortes somaram 4,7 milhões.

Para a Eurostat, esta tendência "reflete o impacto da pandemia da covid-19".

Um porta-voz do Eurostat disse que o número registrado em 2020 é "o mais alto desde 1961", primeiro ano a ter estatísticas disponíveis de todos os países do bloco.

O número de mortos aumentou em todos os países da UE durante este período, mas particularmente na Itália, com 111.700 mortes, 18% a mais do que no ano anterior.

A mesma tendência também se verificou a Espanha (+18%) e na Polônia (+17%), segundo dados da agência europeia de estatísticas.

Essa mortalidade contribuiu para um ligeiro declínio populacional em 2020, estimado em cerca de 312.000 pessoas. Assim, dos 447,3 milhões de habitantes que a UE tinha em 2020, agora são 447 milhões.

O número de nascimentos também continua em queda. O balanço natural (diferença entre o número de nascimentos e o número de óbitos) é negativo desde 2012 (exceto em 2014, quando foi igual a zero) e vem diminuindo desde 2016.

De 2001 a 2019 inclusive, a população aumentou 4%, um crescimento impulsionado, principalmente, por um saldo migratório positivo. Esse saldo diminuiu em 2020, no entanto, também por conta da pandemia.

"Houve um impacto, seja porque as fronteiras estavam fechadas, o que impediu os movimentos de população durante este período, ou porque as pessoas regressaram para seus países de origem, devido à perda de emprego, ou por outra causa", explicou Giampaolo Lanzieri, especialista da Eurostat.

Ainda assim, o principal elemento para explicar o declínio da população é o impacto da pandemia na mortalidade, disse ele.

A maior diminuição populacional foi observada na Itália, com uma redução populacional de 0,6%, seguida da Romênia (-0,7%) e da Polônia (-0,3%).

alm/ahg/jvb/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos