Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.305,44
    -4.429,05 (-7,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Goldman vê crescimento lento e inflação alta em 2022 na AL

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- O Goldman Sachs prevê crescimento lento e inflação persistente na América Latina em 2022, mesmo diante da recuperação das maiores economias da região após a retração recorde provocada pela Covid-19.

Most Read from Bloomberg

“Olhando adiante, a pandemia deve ser menos crítica na definição do cenário macro”, disseram os economistas do Goldman Alberto Ramos, Sergio Armella e Daniel Moreno em nota de pesquisa publicada terça-feira. Segundo o banco, o crescimento fácil como resultado da recuperação, em grande medida, foi colhido.

A Covid-19 matou centenas de milhares de pessoas na região e afetou grandes indústrias enquanto governos buscavam controlar os surtos e administrar vacinas. Agora, após forte recuperação e aumento da imunidade contra o coronavírus, o Goldman vê desaceleração do crescimento do PIB para 2% na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México e Peru em 2022 devido à rápida inflação, juros mais altos e incerteza política.

A região tem sido impactada pelo aumento dos preços ao consumidor, puxados pela crescente demanda por serviços e custos de energia, enquanto milhões tentam retornar às rotinas da pré-pandemia. Embora previsões apontem que os preços devam atingir um pico neste trimestre, a inflação “provavelmente não vai sair de cena até 2023”, escreveram os economistas, acrescentando que “um ambiente de crescimento modesto persistente e progresso socioeconômico lento aumentam o risco de cicatrizes sociais e políticas disruptivas”.

O aumento das expectativas de inflação e os riscos políticos e de políticas “devem levar bancos centrais a adotarem posturas de políticas neutras a restritivas”, escreveram.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos