Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,28
    -0,73 (-0,82%)
     
  • OURO

    1.790,70
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.250,75
    +321,30 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,42
    +6,19 (+1,16%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.192,38
    +16,51 (+0,06%)
     
  • NASDAQ

    13.189,00
    -39,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2511
    -0,0155 (-0,29%)
     

Goldman vê corte de gastos do consumidor como risco para ações

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Surgem os primeiros sinais de que os cortes de gastos do consumidor americano afetarão os lucros corporativos e representam um risco para as ações dos EUA, segundo o Goldman Sachs.

A inflação alta e a queda dos preços dos ativos começaram a prejudicar as finanças das famílias, estrategistas do Goldman liderados por David Kostin disseram em nota. Eles citaram a queda de 0,3% nas vendas no varejo em maio e o índice de sentimento do consumidor em mínima recorde em junho.

Redes de varejo como Target e Walmart parecem ter superestimado a demanda do consumidor em algumas categorias de produtos e agora oferecem descontos para diminuir o excesso de estoque, disseram os estrategistas.

“O declínio nos gastos representa uma ameaça aos lucros para ações de consumo e da indústria automobilística em particular”, disseram. “Os preços dos carros usados caíram 6% desde janeiro, um sinal de que a demanda por veículos em geral pode estar vacilando. A expectativa consensual de um crescimento de 13% nas vendas do setor em 2023 parece ingênua.”

O Goldman prevê que o S&P 500 termine o ano em 4.300 pontos, contra 4.650 pontos na mediana de estimativas de estrategistas compiladas pela Bloomberg em meados de junho. O indicador fechou na sexta-feira em 3.911,74 pontos. Ele registra queda de cerca de 18% no ano, sob pressão de fatores como aumentos de juros e inflação alta.

Alguns investidores temem que o custo de vida mais alto, rendimentos crescentes de títulos e retornos fracos das ações possam levar as famílias a saírem vendendo suas participações, pressionando ainda mais o mercado de renda variável.

Mas os dados mostram que a demanda das famílias por ações permaneceu “surpreendentemente forte” este ano, disseram Kostin e sua equipe. Além disso, como a maior parte das ações está com as pessoas mais ricas que estão mais isoladas da inflação, e as empresas tendem a comprar quando as famílias vendem, o banco não está tão preocupada com isso.

“O S&P 500 subiu 8% em média durante os anos desde 1950 em que as famílias venderam ações de forma mais agressiva”, escreveram os estrategistas.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos