Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,82
    -0,85 (-1,36%)
     
  • OURO

    1.781,20
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    55.043,21
    -134,51 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.256,03
    +21,61 (+1,75%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.893,91
    +34,04 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.780,00
    -14,25 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6762
    -0,0263 (-0,39%)
     

Goldman Sachs nomeia Ricardo Mora co-head para América Latina

Cristiane Lucchesi
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Goldman Sachs nomeou Ricardo Mora co-head para a América Latina.

Mora está substituindo Ram Sundaram, que saiu do banco em fevereiro, e vai trabalhar com Aasem Khalil, outro co-head da América Latina que também lidera os negócios de banco de investimento para a região. Mora, que ingressou no Goldman Sachs como managing director em 2008 e foi nomeado sócio em 2010, tem cerca de 30 anos de experiência em mercados emergentes.

“A América Latina é um foco muito importante para nossa empresa, e lá eu me sinto em casa”, disse Mora, 55, que nasceu na Califórnia, filho de pais mexicanos e fez sua primeira viagem de negócios à região em 1992. “Eu me engajei desde cedo na própria formação dos mercados de capitais latino-americanos.”

O mercado de ações no Brasil, que está se expandindo rapidamente devido aos juros em recorde de baixa, está entre as prioridades do Goldman Sachs este ano, junto com o atendimento a fundos de pensão mexicanos e governos em toda a região, disse Mora. O Goldman Sachs, que também pretende ajudar os clientes a levantar capital à medida que a pandemia traz novas necessidades financeiras, quer ainda focar no financiamento e trading de commodities.

O banco ajudou clientes da América Latina a levantar US$ 1 bilhão em transações de ESG -- com foco em meio ambiente, questões sociais e governança -- em 2020. O Goldman ficou em terceiro lugar na liderança de emissões de títulos de dívida global para emissores latino-americanos no ano passado, em comparação com o quinto lugar em 2019, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

“Em sua nova função, Ricardo trabalhará em estreita colaboração com Aasem para ajudar o banco a expandir sua franquia de clientes na região, com foco em fornecer toda a amplitude de capacidades do Goldman Sachs aos nossos clientes”, disse o banco em comunicado à equipe na quarta-feira. Mora continuará a atuar como chefe de vendas de moedas globais e mercados emergentes nas Américas.

Mora, que mora em Nova York, atuou anteriormente como co-head de vendas de renda fixa, moedas e commodities das Américas, uma função que assumiu em 2018. Ele é membro do comitê operacional de mercados globais, é o representante hispânico/latino no comitê de inclusão e diversidade das Américas, além de ser chefe do conselho de negros e hispânicos/latinos das Américas.

Antes de ingressar no Goldman, Mora trabalhou no Deutsche Bank, onde ocupou cargos seniores em vendas, trading e distribuição em mercados emergentes de 1995 a 2008. Seu primeiro trabalho no setor financeiro foi em 1991 no Manufacturers Hanover, comprado pelo Chemical Bank em 1992.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.