Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,86
    -0,23 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.816,80
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    24.334,83
    -129,61 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.550,75
    -27,00 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2028
    -0,1209 (-2,27%)
     

Goldman Sachs eleva projeções para dólar e vê real entre moedas mais vulneráveis

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO (Reuters) - O Goldman Sachs elevou de forma expressiva a expectativa para a cotação do dólar ante o real em três meses, citando "elevados riscos de curto prazo" para algumas divisas emergentes num cenário de euro fraco, incertezas sobre crescimento chinês, alta de juros nos EUA e recuo das commodities.

O banco agora vê o dólar em 5,50 reais ao fim de três meses, ante 4,70 reais no cenário anterior. A projeção em seis meses pulou de 4,80 reais para 5,30 reais, enquanto a de 12 meses foi mantida em 5,00 reais.

Às 16:26 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,64%, a 5,4044 reais na venda, depois de bater 5,4673 reais, máxima intradiária desde janeiro.

Os profissionais do banco norte-americano disseram ainda que o real, apesar da depreciação recente, ainda carrega uma surpresa positiva de performance no ano de cerca de 10%, o que, para o Goldman Sachs, sugere espaço para desvalorização extra da taxa de câmbio.

"O argumento para uma queda adicional do real provavelmente depende mais das preocupações recessivas que levam a um declínio sustentado nos preços do petróleo", disseram os analistas do banco.

Evidenciando as fragilidades do câmbio doméstico, o Goldman Sachs coloca o real entre as moedas com mais alto "beta" (uma medida de sensibilidade) a potenciais cenários negativos.

Num panorama de euro a 0,95 dólar, por exemplo, a moeda brasileira poderia perder mais 5,7%. O euro caiu a 0,9998 dólar nesta sessão, mínima em 20 anos.

Num cenário em que as expectativas para crescimento da economia chinesa e os preços das matérias-primas recuam, a taxa de câmbio poderia despencar 9,2%.

Com um Fed mais "hawkish" (inclinado a apertar a política monetária de forma mais rígida), a desvalorização seria de 7,6%.

(Por José de Castro; edição de Bernardo Caram)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos