Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,21
    +1,72 (+2,48%)
     
  • OURO

    1.780,20
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    51.288,40
    +3.839,99 (+8,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.325,96
    +65,80 (+5,22%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.312,41
    +80,13 (+1,11%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.117,25
    +274,50 (+1,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4259
    +0,0023 (+0,04%)
     

Goldman Sachs e Citi juntam-se a coro de bancos que enxergam alta de 150 pontos-base da Selic nesta semana

·2 min de leitura
Sede do Banco Central em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O Citi e o Goldman Sachs elevaram suas projeções para o ritmo de elevação da taxa Selic, juntando-se a uma série de grandes bancos que espera agora que o Banco Central suba os juros básicos em 150 pontos-base em sua reunião desta semana.

A revisão dos bancos privados vem na esteira de dados que mostraram nesta terça-feira que o IPCA-15, considerado prévia da inflação oficial ao consumidor brasileiro, registrou em outubro sua maior alta para o mês em 26 anos.

Os números, que vieram bem acima do esperado, somados à recente deterioração das perspectivas fiscais e inflacionárias do Brasil, levaram os credores a projetarem alta da Selic a 7,75% ao ano, de um patamar atual de 6,25%, no encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) que começa nesta terça-feira e se encerra na quarta.

O Citi espera ainda que o BC anuncie uma outra alta de 150 pontos-base na reunião de política monetária de dezembro, com a taxa Selic devendo chegar aos 11% ao ano ao fim do atual ciclo de aperto, no ano que vem. "As pressões inflacionárias continuam abundantes, tornando-se mais disseminadas e persistentes do que o pensado anteriormente", alertou o banco.

Para o Goldman Sachs, a chance de uma alta menos agressiva dos juros na reunião desta semana, de 125 pontos-base, é de apenas 25%, segundo relatório assinado pelo diretor de pesquisa econômica do banco para a América Latina, Alberto Ramos.

O credor não divulgou novas projeções para as reuniões de política monetária do Banco Central além da de outubro, mas alertou que, "num cenário de intensas pressões inflacionárias e piora do balanço de riscos, a chance de o Banco Central conseguir direcionar a inflação para a meta de 3,5% em 2022 é baixa".

Há menos de uma semana, o Goldman projetava elevação de 125 pontos-base como o cenário mais provável para a reunião do Copom.

Outras instituições financeiras importantes, como Bank of America, JPMorgan e UBS, já apostavam em aumento de 150 pontos-base da Selic nesta semana, e uma taxa de dois dígitos ao fim do ciclo de aperto já parece consenso entre elas.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos