Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.061,30
    -325,07 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Goldman firma joint venture com maior banco da China

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Goldman Sachs recebeu aprovação de reguladores chineses para criar uma joint venture de gestão de patrimônio na segunda maior economia do mundo, de olho em ativos que devem superar US$ 70 trilhões até o final desta década, segundo estimativas do banco.

A Goldman Sachs Asset Management terá 51% da joint venture, enquanto o braço de patrimônio do Industrial & Commercial Bank of China (ICBC), o maior banco do mundo em ativos, ficará com o restante, disseram as empresas na terça-feira.

Os grupos se apressam para capitalizar a abertura do setor financeiro chinês, que movimenta US$ 54 trilhões. Goldman, JPMorgan Chase e UBS estão contratando e expandindo sua presença em vários segmentos, como em banco de investimento e gestão de ativos. A maioria das instituições financeiras estrangeiras decidiu focar na gestão de patrimônio, com ativos investíveis que devem dobrar nos próximos anos.

“Esta joint venture com a instituição financeira preeminente da China irá acelerar nosso objetivo de estabelecer uma posição de liderança em uma das maiores oportunidades de gestão de patrimônio de mais rápido crescimento do mundo”, disse em comunicado Tuan Lam, responsável por negócios para clientes da Ásia-Pacífico, exceto Japão, da Goldman Sachs Asset Management.

Os ativos investíveis na China devem ultrapassar US$ 70 trilhões até 2030, com cerca de 60% sendo alocados para produtos como valores mobiliários, fundos mútuos e produtos de gestão de patrimônio, de acordo com pesquisa do Goldman Sachs.

O banco investe pesado e tem planos de dobrar a força de trabalho no país. O Goldman embarcou em uma onda de contratações sem precedentes na China continental e em Hong Kong nos primeiros quatro meses do ano com a contratação de 320 pessoas, incluindo cerca de 70 negociadores.

Uma nova parceria com o ICBC, que tem mais de 16,6 mil unidades, impulsionará a rede de distribuição do Goldman e o acesso a clientes ricos.

O ICBC, com sede em Pequim, tinha 680 milhões de clientes bancários no final do ano passado, com o saldo de ativos financeiros pessoais administrados de 16 trilhões de yuans. Sozinha, a unidade de gestão de patrimônio do ICBC tinha mais de 25 milhões de clientes, 89 mil em private banking e 722 mil corporativos.

De acordo com as novas regulamentações introduzidas no ano passado, empresas estrangeiras podem assumir o controle total de suas joint ventures de fundos mútuos com a aprovação do regulador de valores mobiliários, ou buscar parcerias com bancos locais. Mais de 40 empresas estrangeiras estabeleceram joint ventures e algumas solicitaram maior controle.

Em dezembro de 2019, a Amundi se tornou a primeira empresa estrangeira com permissão para assumir o controle de uma unidade de gestão de patrimônio, com participação de 55% em uma firma com sede em Xangai, na qual o Banco da China controla o restante.

BlackRock e Temasek obtiveram aprovação para abrir uma empresa de gestão de ativos no país com o China Construction Bank. A Schroders recebeu sinal verde para formar uma joint venture com o Bank of Communications no início do ano.

O JPMorgan disse em março que está investindo 2,67 bilhões de yuans (US$ 417 milhões) na unidade de gestão de patrimônio do China Merchants Bank Co.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.