Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.289,94
    +43,66 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Goldman e JPMorgan avaliam cobertura de viagens de aborto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Goldman Sachs Group Inc. e JPMorgan Chase & Co. discutem estender benefícios pagos para cobrir viagens para aborto. Debates sobre o tema voltaram a acontecer nessa semana nos EUA após o vazamento de um projeto de decisão da Suprema Corte para derrubar o caso Roe v. Wade.

Os dois gigantes financeiros poderiam seguir o exemplo do Citigroup Inc. e pagar despesas de viagem para funcionários que buscam interromper a gravidez fora de estados com leis restritivas ao aborto, de acordo com pessoas com conhecimento das discussões. Alguns líderes de alto escalão, no entanto, continuam cautelosos em meio às crescentes críticas de legisladores republicanos.

A medida tem consequências em Wall Street e além, já que executivos de empresas de todo o país buscam equilibrar as demandas dos funcionários com o risco de reação política. Na segunda-feira, o Politico informou que um projeto de parecer da Suprema Corte anularia a decisão de Roe que legalizou o aborto nos EUA há cinco décadas – um projeto que o tribunal disse mais tarde ser autêntico, mas não final.

As pesquisas mostraram a impopularidade de derrubar Roe, o que deu a algumas empresas de Wall Street cobertura para agir, mesmo que grande parte do mundo dos negócios tenha permanecido em silêncio depois que o Texas aprovou no ano passado uma das leis mais restritivas do país sobre o aborto.

“Se há um lado bom nesse vazamento, é que ele empurrou as empresas americanas para colocarem a casa em ordem antes que seja tarde demais”, disse Jen Stark, a nova co-diretora do Centro de Negócios e Justiça Social, onde trabalhará com empresas em questões de saúde. Em Wall Street, disse ela, o movimento inicial do Citigroup será recompensado. “Eles viraram alvo. Mas agora estão um passo à frente.”

Uma porta-voz do Goldman se recusou a comentar. Uma pessoa envolvida com a discussão disse que o banco está revisando suas políticas e o impacto que uma decisão da Suprema Corte pode ter nas leis estaduais e nas opções de assistência médica. Um representante do JPMorgan também se recusou a comentar.

No Goldman, com sede em Nova York, uma consideração importante foi evitar incomodar os políticos à direita, que cada vez mais buscam punir comercialmente as empresas que adotam posições mais à esquerda em questões sociais.

Bank of America Corp., o maior banco dos EUA depois do JPMorgan, avaliará se fará mudanças caso a Roe seja derrubada. A empresa não está se preparando para decidir até lá, disse o presidente Brian Moynihan, em entrevista para a CBS News na quarta-feira.

Citigroup disse em março que está começando a cobrir os custos de viagem para funcionários que buscam abortos depois que vários estados, incluindo o Texas, implementaram ou propuseram uma proibição quase total. A CEO Jane Fraser disse em abril que a decisão da empresa foi baseada em políticas de longa data da empresa e não pretendia ser uma declaração política. “Nossa prática também tem sido garantir que nossos funcionários tenham a mesma cobertura de saúde, não importa onde morem nos EUA”, disse Fraser na reunião anual de acionistas do banco.

Um político conservador do Texas alertou o Citigroup que a instituição com sede em Nova York pode ser impedida de subscrever títulos municipais e que os escritórios e funcionários do banco podem enfrentar processos criminais, a menos que a empresa recue em sua política. No mês passado, membros republicanos do Congresso pediram o cancelamento dos contratos do governo dos EUA com o Citigroup, que fornece os cartões de crédito que os membros da parlamento usam para pagar voos, suprimentos e outros bens.

Esta semana, o senador republicano Marco Rubio da Flórida apresentou um projeto de lei para remover isenções fiscais para corporações com políticas consideradas ativistas. O projeto de lei proibiria os empregadores de deduzir despesas relacionadas aos custos de viagem de aborto de seus funcionários.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos