Mercado abrirá em 6 h 50 min

Goldman aposta em dívida ESG para avançar na América Latina

Caleb Mutua e Ezra Fieser
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O Goldman Sachs aumenta sua presença na América Latina com o foco em dívidas com fins sociais e ecológicos em meio à crescente demanda por títulos sustentáveis de mercados emergentes.

“A América Latina é uma região incrivelmente estratégica para nós, então devemos ver mais influência e mais ênfase no futuro”, disse Christina Minnis, corresponsável por financiamento de crédito global do Goldman, em entrevista por telefone em 28 de setembro.

O banco abriu escritório no Peru este ano, e já estava presente em São Paulo, Cidade do México, Santiago e Buenos Aires. O Goldman estruturou mais de US$ 10 bilhões em emissões de títulos da América Latina em 2020, tornando-se o quarto maior subscritor, em relação à nona posição no ano passado, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

No centro da estratégia do Goldman estão emissões com critérios ambientais, sociais e de governança, ou ESG na sigla em inglês. O banco foi o principal subscritor de sete títulos atrelados a ESG da América Latina neste ano, em comparação com apenas um em 2019, de acordo com dados compilados pelo Goldman. A pandemia de coronavírus estimulou emissões desse tipo de dívida de países em desenvolvimento, como um volume recorde de títulos sociais quando países mais pobres tentam combater a crise de saúde.

Governos e empresas podem reduzir custos de financiamento em até 20 pontos-base sob o formato ESG, disse Carlos Mendoza, responsável por mercados de capitais de dívida para a América Latina. Esses critérios também ampliam o leque de potenciais investidores em meio a crescentes temores sobre o coronavírus, a economia e as eleições presidenciais dos EUA.

“A base de investidores dedicados aos mercados emergentes se torna um pouco mais seletiva” durante períodos de alta volatilidade, disse Mendoza.

A expectativa era de que as diretrizes da International Capital Market Association divulgadas em junho levassem a mais emissões de títulos atrelados a metas ambientais gerais, em vez de projetos específicos. O banco liderou a coordenação da emissão de US$ 750 milhões em títulos atrelados à sustentabilidade da Suzano, que pagam um cupom maior se a empresa não cumprir as metas de emissão de gases de efeito estufa. Foi o primeiro título desse tipo na América Latina, de acordo com a BloombergNEF, e apenas o segundo globalmente depois da concessionária italiana Enel, que levantou US$ 1,5 bilhão no ano passado.

“Essa é uma área em que realmente vemos oportunidades reais e inovação contínua”, disse John Greenwood, corresponsável de projetos, infraestrutura e principal finance do Goldman.

Empréstimos Covid

Neste ano, o Goldman ajudou a estruturar o título social de US$ 400 milhões do Equador para hipotecas destinadas a pessoas de baixa e média renda. Também trabalhou em um empréstimo de US$ 360 milhões para o Banco Nacional de Panamá para alívio da Covid, e no financiamento de empréstimos para empresas controladas por mulheres concedidos pelo Banco Pichincha, do Equador. Os financiamentos usaram garantias do Banco Interamericano de Desenvolvimento e do Banco Mundial para ajudar a reduzir custos, disse Greenwood.

A empresa espera fechar alguns novos acordos sustentáveis na América Latina antes do fim do ano, à medida que empresas aproveitam as janelas de oportunidade, de acordo com Mendoza.

“A emissão soberana adicional atrelada a ESG será provavelmente mais ativa no próximo ano”, afirmou.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.