Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,87
    +0,10 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.855,70
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    32.488,82
    -958,42 (-2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,79
    -23,11 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.469,25
    -6,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6385
    -0,0135 (-0,20%)
     

GM retira apoio a processo de Trump contra normas de poluição na Califórnia

·2 minuto de leitura
(Arquivo) A executiva Mary Barra e o presidente Donald Trump

A General Motors (GM) retirou nesta segunda-feira seu apoio ao governo Trump em um processo contra normas da Califórnia para reduzir a poluição causada pelos automóveis, e garantiu ao presidente eleito, Joe Biden, que irá apoiar suas iniciativas envolvendo os veículos elétricos.

Em outubro de 2019, General Motors, Toyota e Fiat Chrysler anunciaram apoio ao processo contra a Califórnia, argumentando que as medidas envolvendo emissões de poluentes deveriam ser estabelecidas em nível federal. O governo Trump adotou uma postura de confronto em relação às normas da Califórnia, que adota padrões ambientais mais severos do que no restante do país.

Hoje, no entanto, a gigante automobilística americana anunciou a sua retirada imediata do processo e convocou as outras montadoras a fazerem o mesmo, segundo uma carta da diretora executiva da empresa, Mary Barra, destinada a organizações de defesa do meio ambiente.

Mary, que se reuniu com o presidente eleito este mês e teve uma relação complicada com Trump, disse acreditar "que o governo Biden, a Califórnia e a indústria automobilística americana poderão encontrar em conjunto um caminho que trará um futuro totalmente elétrico".

A executiva indicou que se sentiu "inspirada" pelo plano de Biden, "que mostra uma intenção clara de ampliar a eletrificação dos veículos nos Estados Unidos, criar 1 milhão de empregos, instalar 550 mil estações de carga e colocar as empresas e os trabalhadores do setor automobilístico em posição de ganhar a corrida da eletrificação".

Biden celebrou o anúncio feito pela empresa. "É uma notícia animadora para a nossa economia, o nosso planeta e o longo sucesso das empresas automobilísticas americanas. A decisão da General Motors confirma quão pouco acertados são os esforços do governo Trump para erodir a engenhosidade americana e as defesas do país contra a ameaça climática", declarou.

A GM anunciou na semana passada que iria aumentar seus investimentos em veículos elétricos e autônomos em 7 bilhões de dólares nos próximos cinco anos.

jmb/sst/to/ft/gma/dga/lb