Mercado fechará em 2 h 9 min
  • BOVESPA

    111.266,50
    +593,74 (+0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.408,33
    +5,63 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,63
    +0,67 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +16,10 (+0,91%)
     
  • BTC-USD

    66.479,41
    +3.571,97 (+5,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.546,75
    +65,95 (+4,45%)
     
  • S&P500

    4.538,11
    +18,48 (+0,41%)
     
  • DOW JONES

    35.656,88
    +199,57 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.395,25
    -3,25 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4627
    -0,0335 (-0,52%)
     

GM leva greve em São Caetano à Justiça

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A General Motors pediu à Justiça do Trabalho em São Paulo que declare como abusiva a greve iniciada no dia 1º deste mês pelos metalúrgicos de São Caetano do Sul, no ABC paulista. O dissídio coletivo de greve foi apresentado no fim de semana, depois que uma audiência de conciliação no tribunal terminou sem acordo.

Na terça (5), a juíza do trabalho Raquel Gabbai de Oliveira negou o pedido de reconsideração da empresa, que tentava a concessão de uma liminar para por fim à greve. A magistrada marcou nova audiência para a sexta (10).

Enquanto a empresa e os trabalhadores não chegam a um acordo, a linha de montagem da planta de São Caetano segue paralisada. A produção diária da fábrica é de aproximadamente 750 veículos dos modelos Spin, Tracker, Joy e Joy Plus (versões antigas do Onix e do Prisma).

Cerca de 4.100 metalúrgicos aderiram à greve, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul. O presidente da entidade, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, diz que a empresa chegou a fazer nova proposta de acordo durante o fim de semana.

O reajuste salarial de 10,42%, referente ao INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) acumulado em um ano, seria pago integralmente, retroativo a 1º de setembro. A proposta inicial previa um pagamento somente em fevereiro de 2022.

Porém, a empresa queria dar nova redação a uma cláusula do acordo coletivo vigente que garante estabilidade de emprego aos metalúrgicos com doenças ocupacionais. "Eles queriam rever a redação. A gente quer manter como está."

A proposta para alterar os parâmetros da estabilidade deverá voltar a ser discutida na sexta, no TRT.

A GM diz que mantém o mesmo posicionamento da semana passada, de que "está fazendo todos os esforços para chegar a um acordo que seja bom para ambas as partes."

À Seção Especializada em Dissídio Coletivo, a empresa disse considerar irregular a assembleia que decidiu pela paralisação. A GM pediu também a aplicação de multa diária de R$ 100 mil "já que há negociação em andamento."

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano diz que sete rodadas de negociação foram realizadas antes da decisão pela greve.

Os metalúrgicos reivindicam, além da reposição da inflação, o pagamento de 5% de aumento real. Outras cláusulas econômicas preveem a correção do piso salarial, vale-alimentação entre R$ 500 e R$ 1.000, participação nos resultados e adiantamento de 13º salário.

Na semana em que a greve teve início, a montadora havia anunciado a retomada dos dois turnos de produção e esperava dobrar a produção do utilitário Chevrolet Tracker.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos