• BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,53
    +0,52 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.799,20
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    16.849,89
    -234,44 (-1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.509,75
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4687
    +0,0023 (+0,04%)
     

Glencore deve ter lucro comercial recorde em 2022, apesar da queda no 2º semestre

FOTO DE ARQUIVO: Mina de carvão Mount Owen da Glencore em Ravensworth

LONDRES (Reuters) - A Glencore espera que o lucro operacional do segundo semestre em seu braço comercial caia acentuadamente em relação aos seis meses anteriores para 1,6 bilhão de dólares, disse a empresa nesta sexta-feira, mas continue a caminho de um desempenho recorde em 2022 devido à alta dos preços do petróleo e do carvão.

O lucro antes de juros e impostos (Ebit) no primeiro semestre atingiu 3,7 bilhões de dólares, com uma perspectiva anual de longo prazo entre 2,2 bilhões e 3,2 bilhões de dólares.

Os analistas da Jefferies esperam um forte retorno de capital da Glencore para o ano inteiro entre 5 bilhões e 10 bilhões de dólares, em parte porque os preços do carvão térmico continuam elevados pela disputa mundial pelo fornecimento de energia, mesmo com a desaceleração da economia global. A Glencore minera e comercializa o combustível fóssil.

Problemas na cadeia de suprimentos no Cazaquistão como resultado da guerra na Ucrânia e condições climáticas extremas que afetaram algumas minas na Austrália levaram a Glencore a reduzir suas metas de produção para o ano inteiro de carvão, zinco e níquel.

No entanto, a companhia registrou um aumento de 7% na produção de carvão nos primeiros nove meses do ano, a 81,9 milhões de toneladas, impulsionado por sua mina Cerrejon na Colômbia. A produção total deverá ultrapassar os 103 milhões de toneladas do ano passado, alcançando pelo menos 110 milhões de toneladas no ano.

A produção de cobre caiu 14% para 770.500 toneladas, em parte devido à contínua redução da produção da mina Katanga na República Democrática do Congo (RDC).

Em julho, a Glencore cortou sua projeção para a produção de cobre para o ano inteiro para 1,06 milhão de toneladas, abaixo da previsão anterior de 1,11 milhão de toneladas, citando problemas geotécnicos na operação a céu aberto de Katanga.

(Por Clara Denina e Muhammed Husain)