Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.897,82
    +336,57 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Glamour Garcia diz que sucesso na TV salvou sua vida durante relacionamento abusivo: 'Poderia estar morta'

·1 minuto de leitura

Passados quase dois anos de sua estreia em horário nobre, Glamour Garcia diz que evoluiu com tudo que viveu de lá para cá. Ao interpretar Britney em "A dona do pedaço", a atriz trans experimentou o sucesso nacional ao mesmo tempo em que vivia um inferno na vida pessoal, dentro de um relacionamento abusivo. Segundo Glamour, foi sua personagem na novela das nove que salvou sua vida naquele momento.

"Vivi os momentos mais dramáticos e difíceis da minha vida enquanto eu fazia a novela. De repente, me vi com muito medo. A Britney era a minha realização de anos, e se eu não estivesse vivendo todo aquele sucesso, não teria aguentado. Eu poderia estar morta, mas hoje estou evoluída", diz Glamour, de 32 anos, ao canal Pheeno, no YouTube.

Leia também: Ex-BBB Ariadna Arantes posa nua 10 anos depois: 'Ajudar outras mulheres a não terem medo de seus corpos'

Prestes a retornar ao teatro, encenando textos da poeta Hilda Hilst num monólogo que será transmitido online, Glamour Garcia se livrou do tal relacionamento abusivo e segue cheia de planos. Ao virar uma referência dentro da comunidade LGBTQI+, a atriz espera que outros transexuais vejam sua trajetória como inspiração: "Antes da transição de gênero, eu era um corpo morto, o papel que eu vivia era falso e tinha muitos problemas mentais e existenciais. Quando vivi a Britney, foi importante acompanhar a discussão que se criou sobre o tema".