Mercado fechará em 1 h 36 min
  • BOVESPA

    125.004,13
    -1.142,52 (-0,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.135,24
    -105,27 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.804,60
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    32.212,07
    -81,02 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    778,31
    -15,42 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.410,52
    +43,04 (+0,99%)
     
  • DOW JONES

    35.033,80
    +210,45 (+0,60%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.108,50
    +180,00 (+1,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1156
    -0,0046 (-0,08%)
     

GitHub fecha site que leiloava mulheres muçulmanas online sem consentimento

·2 minuto de leitura

A plataforma de hospedagem de código-fonte GitHub tirou do ar um site que comercializava mulheres como se fossem objetos. A página estava no ar desde domingo e tinha o nome de Sulli Deals, uma expressão depreciativa usada para se referir a muçulmanas.

No total, foram encontradas fotos de mais de 90 mulheres de descendência árabe. Ainda não se tem informações sobre quem produziu ou colocou a página online. O que se sabe é que ficou ativo por 20 dias antes da remoção definitiva, no começo desta semana.

A página já saiu do ar, mas ficou durante quase 20 dias difamando muçulmanas (Imagem: @khanthefatima/Twitter)
A página já saiu do ar, mas ficou durante quase 20 dias difamando muçulmanas (Imagem: @khanthefatima/Twitter)

Dentre as “leiloadas” estavam artistas, pesquisadores, jornalistas e estudantes, todas ativas nas redes sociais e perseguidas por falarem o que pensam. As mulheres foram surpreendidas ao ter seus documentos, fotos e nomes expostos sem consentimento, ao lado de títulos depreciativos e objetivantes. Em razão disso, parece se tratar de um atentado contra a honra dessas pessoas, como forma de intimidação.

O GitHub declarou, por meio de comunicado, que proíbe a difusão de conteúdo discriminatório e com discuso de ódio. Segundo a página, eles lutam para combater condutas envolvendo “assédio, discriminação e incitação à violência”. Tão logo que teve conhecimento, foi feita uma investigação e decidido pela remoção por conta da violação das políticas.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Este não é o primeiro caso de comércio online de mulheres muçulmanas neste ano. Em maio, um canal do YouTube chamado Liberal Doge fez uma transmissão ao vivo em que mostrava fotos de muçulmanas e avaliava cada uma, como em um leilão.

O dono do canal, Ritesh Jha, é velho conhecido das autoridades porque também já comandou outros canais similares, além de grupos no Telegram que espalham conteúdo de ódio. Até o momento, ele não foi punido e pode ser um dos principais suspeitos do caso envolvendo o GitHub, segundo o site The Next Web.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos