Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.072,81
    -163,17 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Giro da Saúde: varíola dos macacos no BR; vacina paga da covid; variante XM

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A varíola dos macacos chegou, oficialmente, ao Brasil, com o registro do primeiro caso acometendo um paciente de São Paulo. Veja este e outros destaques da semana, aqui no Giro da Saúde!

Brasil confirma 1º caso de varíola dos macacos

Diagnosticado com varíola dos macacos, paciente de São Paulo esteve na Espanha (Imagem: MarinaDemidiuk/Envato Elements)
Diagnosticado com varíola dos macacos, paciente de São Paulo esteve na Espanha (Imagem: MarinaDemidiuk/Envato Elements)

Na semana passada, o primeiro caso oficial de varíola dos macacos foi confirmado aqui no Brasil. Trata-se de um homem de 41 anos, que retornou recentemente de uma viagem à Espanha — a Europa é um dos epicentros dos surtos da doença. Ele está em isolamento no Hospital Emílio Ribas, na Zona Oeste da capital paulista.

Além do primeiro caso oficial da varíola dos macacos, a Prefeitura de São Paulo monitora o estado de saúde de outra paciente suspeita para a infecção. Ainda em investigação, a mulher, de 26 anos, está hospitalizada.

Quem pode tomar vacina da covid em clínicas particulares?

Para tomar vacina da covid na rede particular, basta esperar 4 meses da última dose... e pagar (Imagem: Wavebreakmedia/Envato Elements)
Para tomar vacina da covid na rede particular, basta esperar 4 meses da última dose... e pagar (Imagem: Wavebreakmedia/Envato Elements)

Você já se perguntou como funciona a vacinação contra covid-19 em clínicas particulares? Agora, as clínicas privadas e farmácias já podem aplicar o imunizante da AstraZeneca nas pessoas (ao custo de 300 a 350 reais), e, até o momento, não existe regulação específica para o caso — o que significa que pessoas com menos de 50 anos e sem se enquadrar em nenhum grupo prioritário já podem pagar pela segunda dose de reforço (ou quarta dose, como é popularmente chamada).

Segundo a Folha, em São Paulo - SP, várias clínicas já vendem a vacina da AstraZeneca para maiores de 18 anos, desde que essas pessoas apresentem o comprovante de vacinação, uma vez que é necessário ter recebido a última dose há pelo menos 4 meses. No caso da quarta dose, algumas clínicas aplicam apenas em pacientes com menos de 50 anos que chegam com uma prescrição médica.

Em nota, a Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVac) explica que "não há consenso sobre a indicação da aplicação da quarta dose" no Brasil e cita o caso de São Paulo, onde profissionais de saúde já podem receber a segunda dose do reforço, independente da idade.

Nova variante recombinante da covid em São Paulo

<p><span><span>Variante XM foi identificada recentemente pelo Butantan em SP (Imagem: Vladimirzortov/Envato Elements)</span></span></p>

Variante XM foi identificada recentemente pelo Butantan em SP (Imagem: Vladimirzortov/Envato Elements)

De acordo com comunicado do Instituto Butantan, uma nova variante recombinante do coronavírus causador da covid-19 foi encontrada em São Paulo. Apenas dois casos da nova cepa foram sequenciados e confirmados até então. Trata-se da variante XM, que mescla características e mutações de duas sublinhagens da Ômicron, a BA.2 e a BA.1.1.

As amostras foram encontradas em um homem de 28 anos, que vive na Grande São Paulo, e em um idoso de 71 anos, que mora em São José do Rio Preto, no interior paulista. Informações sobre o histórico de vacinação e os sintomas relatados pelos indivíduos ainda não foram compartilhados.

Pesquisa leva à remissão de câncer em todos os pacientes envolvidos

Tratamento experimental resulta na remissão do câncer retal de todos os pacientes (Imagem: nd3000/envato)
Tratamento experimental resulta na remissão do câncer retal de todos os pacientes (Imagem: nd3000/envato)

Um pequeno estudo chamou a atenção da mídia especializada na última semana: realizado por cientistas do Memorial Sloan Kettering (MSK) Cancer Center, em Nova York, a pesquisa teve como resultado a remissão de câncer retal em todos os 12 pacientes envolvidos. A metodologia consistiu de um tratamento experimental de imunoterapia à base de um medicamento chamado dostarlimabe. A remissão aconteceu sem a necessidade de quimioterapia.

Ao todo, o tratamento levou seis meses e o resultado supreendeu pesquisadores e voluntários. Os 12 pacientes, além de se livrarem da doença, não tiveram efeitos adversos por conta do uso de dostarlimabe. A droga é um inibidor que, basicamente, tira o freio das células imunes, liberando-as para reconhecer e atacar células do câncer.

Apesar do sucesso, o estudo levanta controvérsias. Especialistas lembram que medicamentos como o dostarlimab causam reações alérgicas em uma a cada cinco pessoas, e de 3% a 5% delas apresentam reações severas, incluindo fraqueza muscular e dificuldade de mastigar e engolir. A falta de efeitos adversos nos pacientes pode ter se dado por conta da amostra pequena de pacientes, ou pelo caráter único dos cânceres tratados, segundo profissionais da oncologia.

Tirzepatida: Anvisa avalia remédio que reduz peso em até 22,5%

Remédio promete perda de 22,5% do peso: tirzepatida está em análise no Brasil (Imagem: Puhimec/Envato Elements)
Remédio promete perda de 22,5% do peso: tirzepatida está em análise no Brasil (Imagem: Puhimec/Envato Elements)

A tirzepatida, novo remédio da farmacêutica Lilly, é um emagrecedor promissor — e está, no momento, em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em estudos clínicos, a tirzepatida, que é indicada para tratar diabetes tipo 2, promoveu a perda de peso em adultos com obesidade ou sobrepeso. A taxa foi estimada entre 16,0% e 22,5%, dependendo da concentração.

De acordo com apuração do jornal O Globo, a empresa já solicitou o aval da autorização de uso para a Anvisa. Caso o processo de análise corra conforme o esperado, a fórmula pode estar disponível “em meados de 2023” no Brasil.

Nos Estados Unidos, o remédio já teve seu uso aprovado para tratar diabetes tipo 2. Trata-se de um medicamento injetável e, comercialmente, recebe o nome de Mounjaro.

Mais sobre saúde e ciência:

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos