Mercado fechará em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    106.743,40
    +380,30 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.468,25
    -246,35 (-0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,21
    -0,45 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.803,20
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    61.408,94
    +2.494,08 (+4,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.476,87
    +57,49 (+4,05%)
     
  • S&P500

    4.580,14
    +28,46 (+0,63%)
     
  • DOW JONES

    35.627,06
    +136,37 (+0,38%)
     
  • FTSE

    7.238,02
    -15,25 (-0,21%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.671,00
    +83,75 (+0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5440
    +0,1193 (+1,86%)
     

Giro da Saúde: covid e ânus inquieto; 3ª dose da Pfizer turbina imunidade

·4 minuto de leitura

Mais uma semana se inicia, e, como de praxe, o Canaltech traz um resumão dos principais destaques de saúde para você começa-la bem informado. No Giro de hoje, vamos falar do iPhone 13 Pro brilhando no consultório de um oftalmologista, de cirurgias robóticas remotas feitas com sucesso, da terceira dose da Pfizer e de um relato de caso pós-covid que vem intrigando médicos japoneses: a "síndrome do ânus inquieto".

Médico descobre que Macro do iPhone 13 Pro ajuda a tratar pacientes

Imagem: Tommy Korn/Reprodução
Imagem: Tommy Korn/Reprodução

Um oftalmologista norte-americano descobriu no iPhone 13 Pro uma forma de complementar os exames de retina de seus pacientes. Tommy Korn conta que, usando o modo Macro do telefone, conseguiu produzir imagens de altíssima qualidade e grande nível de detalhes. Isso vai permitir a coleta de informações importantes de seus pacientes para acompanhar o tratamento e, potencialmente, trazer impactos positivos para aplicações de telemedicina. No Canaltech, você vê mais detalhes (e fotos tiradas com o iPhone 13 Pro no consultório).

Quem tem daltonismo sonha com cores que não vê?

Imagem: Denise Chan/Unsplash
Imagem: Denise Chan/Unsplash

Como é o sonho dos daltônicos? Será que eles "enxergam" cores diferentes do que veem no dia a dia? A resposta pode variar, pois isso depende de quando a condição se estabeleceu em suas vidas. Quem nasce daltônico não consegue sonhar com cores da escala de uma pessoa sem a condição. Mas aqueles que se tornaram daltônicos após o nascimento, sim, podem "enxergar" todas as cores que a maioria das pessoas enxerga. Isso porque é impossível sonhar com cores jamais vistas e experimentadas pelo nosso cérebro.

Cirurgias robóticas já acontecem via 5G

Imagem: Irwan Iwe/Unsplash
Imagem: Irwan Iwe/Unsplash

Um dos maiores desafios para que a cirurgia robótica a distância se torne uma prática cada vez mais comum nos hospitais é a qualidade da conexão. Mas, na China, a Huawei já começou a testar esses procedimentos usando 5G de baixa latência — e com sucesso! No dia 17 de setembro, médicos chineses concluíram as duas primeiras cirurgias de substituição remota de articulação de joelho usando robôs.

A tecnologia é controlada por médicos especialistas e não funciona de forma autônoma. Graças ao 5G da Huawei, médicos especialistas usaram o robô HongHu para operar a articulação do joelho de duas mulheres, localizadas em dois pontos diferentes do país.

Terceira dose da Pfizer turbina imunidade de vacinados com CoronaVac

Imagem: Jesse Paul/Unsplash
Imagem: Jesse Paul/Unsplash

Um estudo preliminar uruguaio trouxe notícias animadoras para os vacinados com a terceira dose da Pfizer, desde que tenham completado seu esquema vacinal com a CoronaVac: os pesquisadores envolvidos observaram que a terceira dose do imunizante norte-americano desencadeia uma produção 20 vezes maior de anticorpos contra o vírus. O estudo contou com a participação de mais de 200 voluntários e ainda deve durar dois anos, sendo que amostras de sangue serão coletadas periodicamente.

Esta é a primeira evidência de uma combinação de duas doses de vacinas, feita por instituições locais de pesquisa. Este “era um resultado desejável, mas hoje o confirmamos com a geração de conhecimento nacional. Era fundamental saber avaliar. Estamos semeando coisas que vão nos dar segurança e garantias das decisões tomadas”, afirmou o ministro da Saúde, Daniel Salinas

Síndrome do ânus inquieto pós-covid (relato de caso)

Imagem: cottonbro/Pexels
Imagem: cottonbro/Pexels

Você provavelmente já ouviu falar da síndrome das pernas inquietas, condição neurológica em que pessoas não conseguem parar de mexer suas pernas quando estão sentadas ou deitadas. Pois bem: segundo um relato de caso recente publicado no Japão, um homem de 77 anos foi diagnosticado com covid-19, permanecendo 21 dias internado. Depois de recuperado, ele começou a sentir o que foi descrito como "desconforto anal profundo", na região entre o ânus e os órgãos genitais.

Segundo o paciente, ele sentia uma vontade constante de evacuar o intestino, mas sem sentir nenhum alívio depois. Com o passar dos dias, ele percebeu que sentia alívio quando fazia atividade física, mas o desconforto voltava quando estava deitado e no período da noite. Ele foi submetido a um exame de colonoscopia e descobriu a presença de hemorroidas internas, o que por si só não justificava a inquietação anal. Médicos envolvidos no caso atribuem a condição a mais uma complicação advinda da covid longa, que, tal como a síndrome das pernas inquietas, pode ter origem neurológica.

Como o caso é considerado novo, ainda não há justificativa científica para isso. Inclusive, pode ser o primeiro caso registrado de "síndrome do ânus inquieto". Até o momento, o homem vem sendo tratado com paliativos (sedativos que relaxam os músculos anais) para sentir alívio. O relato de caso pode ser acessado aqui.

Mais notícias sobre saúde que podem te interessar

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos