Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.129,13
    -307,37 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Giro da Saúde: cães que detectam covid; jovem com cabo USB entalado no pênis

·5 minuto de leitura

Todo domingo, o Canaltech separa as principais notícias de saúde para que, em poucos minutos, você se informe com os destaques da área e comece a semana por dentro. Aqui no Giro da Saúde, resumimos os cinco assuntos mais bombados da semana, e ainda sugerimos uma lista de notícias interessantes para você acompanhar ao final da leitura.

Novo estudo revela que Moderna é a vacina mais eficaz dos EUA

Imagem: FabrikaPhoto/Envato Elements
Imagem: FabrikaPhoto/Envato Elements

Uma pesquisa recente, conduzida nos Estados Unidos, testou a efetividade das vacinas contra covid-19 usadas no país. Os resultados mostram que o imunizante da Moderna é o que possui maior eficácia, quando comparado com os dois outros usados por lá: a vacina da Pfizer/BioNTech e a da Janssen (Johnson & Johnson). Independente dos resultados, é importante frisar que todos os imunizantes em uso no país protegem, de forma segura e eficaz, contra o coronavírus.

Quem foi vacinado com as duas doses da Moderna teve o melhor efeito de proteção contra hospitalizações: a taxa de proteção contra a entrada em hospitais foi de 93%. Já a vacina da Janssen obteve uma taxa de efetividade de 71%. E a imunização completa com a ComiRNAty, da Pfizer, reduziu o risco de hospitalização em 88% no mesmo período. No entanto, a proteção da fórmula contra hospitalizações caiu para 77%, após quatro meses depois da última dose.

Um dado importante: essas informações foram coletadas entre março e agosto deste ano. No mês de julho, a variante Delta, mais infecciosa, já era predominante em todo o país.

Janssen: dos novos efeitos colaterais aos testes recentes de eficácia

Imagem: Micens/Envato Elements
Imagem: Micens/Envato Elements

A Anvisa avaliou os efeitos adversos da vacina da Janssen (Johnson & Johnson) e pediu a inclusão, em sua bula, de uma pequena lista deles. Em um prazo de 30 dias, a farmacêutica deverá atualizar a bula com as novas informações. Tais efeitos são considerados leves, e você os confere abaixo:

  • Linfadenopatia (aumento do tamanho e/ou número de linfonodos, como o aparecimento de caroços no pescoço);

  • Parestesia (sensação de dormência em alguma parte do corpo);

  • Hipoestesia (diminuição da sensibilidade da pele);

  • Tinido (zumbido no ouvido);

  • Diarreia;

  • Vômitos.

Na mesma semana, a Janssen divulgou números atualizados sobre a eficácia de seu imunizante, considerando uma segunda dose. De acordo com os resultados, o reforço da vacina pode aumentar ainda mais a imunidade contra o coronavírus, chegando a 75% contra casos moderados e graves da doença, tal como com a dose única. No entanto, com as duas doses da fórmula, a proteção foi de 100% por "pelo menos 14 dias após a vacinação final", segundo a farmacêutica.

Vale salientar que a vacinação com duas doses obteve uma proteção de 75% globalmente. Considerando apenas os números dos Estados Unidos, a proteção contra a infecção sintomática chegou a 94%. Leia a notícia no Canaltech para detalhes sobre níveis de anticorpos com 2 meses ou mais de reforço.

Cachorros farejam covid em aeroporto com 98% de precisão

Imagem: Michael Dziedzic/Unsplash
Imagem: Michael Dziedzic/Unsplash

Dois cachorros estão dando um show de detecção de covid-19 em um aeroporto de Miami. Cobra, uma pastora belga, e One Betta, um pastor alemão, fazem parte de um programa piloto que visa reconhecer funcionários infectados do aeroporto. A missão canina é farejar suas máscaras em busca de traços químicos do coronavírus SARS-CoV-2, para minimizar o risco de transmissão viral.

Entre 23 de agosto e 8 de setembro, eles analisaram 1.093 funcionários e detectaram apenas um caso. A pessoa havia sido diagnosticada com covid duas semanas antes e havia acabado de retornar ao trabalho após a quarentena; depois de um teste rápido, ela foi liberada.

Butantan vai fornecer milhões de doses da CoronaVac a estados

Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech
Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech

O Instituto Butantan já finalizou o contrato que previa a entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde, mas continua a todo vapor na produção e distribuição das vacinas. Agora, firmou acordo para fornecer 2,5 milhões de doses da CoronaVac a cinco estados: Ceará, Piauí, Pará, Espírito Santo e Mato Grosso.

Já que concluiu sua etapa com o governo federal, o Butantan fica livre para assinar novos acordos de distribuição. Além de negociar diretamente com os estados, o instituto já declarou que pode fornecer a CoronaVac para mais países da América Latina.

Jovem insere cabo USB no pênis e vai parar na mesa de cirurgia

Imagem: Reprodução/Urology Case Reports
Imagem: Reprodução/Urology Case Reports

Alegando querer medir o comprimento de seu pênis, um adolescente norte-americano de 15 anos introduziu um cabo USB pela uretra e foi parar no hospital para retirá-lo. O relato do caso saiu em uma revista científica renomada, e conta que o jovem buscou apoio médico após múltiplas tentativas de remover o cabo e perceber sangue em sua urina. Segundo o artigo, a motivação do adolescente é descrita como autoerótica.

No hospital, os médicos tentaram remover o cabo por uma via menos invasiva, a cistoscopia, que consiste da inserção de um aparelho pela uretra, mas não obtiveram sucesso. O jovem precisou ser encaminhado para a sala de cirurgia, onde os cirurgiões conseguiram remover o fio após uma incisão no pênis do garoto, que foi posteriormente suturado.

Curiosamente, este não é o primeiro caso do tipo que relatamos aqui no Canaltech. Casos como esse, aliás, não são raros nas salas de emergência: vários objetos incomuns já tiveram que ser retirados das uretras de pacientes, incluindo agulhas, alfinetes, fios de ferro e até mesmo cascas de pistache.

Mais sobre saúde

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos