Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    55.006,68
    -7.169,55 (-11,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Gilmar Fubá

Mauro Beting
·1 minuto de leitura

Gilmar era Fubá porque tomava mamadeira da farinha pela ausência de leite por falta de dinheiro.

Gilmar mordia e comia os tijolos da casa quando criança.

Gilmar mordia canelas dos rivais como se fossem os pratos de comida da infância negada a ele e a milhões de brasileiros.

Gilmar ganhou São Paulo, o Brasil e o mundo pelo Corinthians. Ganhou o pãozinho de cada dividida na carreira na Alemanha e Coreia do Sul e Emirados Árabes.

Amava futebol. A bola não gostava tanto assim dele. Mas não conheci quem não o adorasse. Era um cara que chegaria em qualquer lugar e em dois minutos já tinha conquistado todo mundo. Como um dia em janeiro de 2000 ele ganhou todo o mundo. Mesmo morrendo de medo de cobrar o pênalti que não foi necessário.

Gilmar tinha nome de craque do gol corintiano. Gilmar Fubá tem um pouco da história de cada corintiano.

Força e luz à família que perde para um câncer uma das grandes histórias do futebol.