Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,27
    -0,01 (-0,02%)
     
  • OURO

    1.713,10
    -2,70 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    50.790,45
    +2.381,17 (+4,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,41
    +28,32 (+2,87%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.219,45
    -339,65 (-1,15%)
     
  • NASDAQ

    12.648,25
    -33,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7759
    -0,0028 (-0,04%)
     

Gigantes tech protestam contra aquisição da Arm pela Nvidia

David McLaughlin, Ian King e Dina Bass
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo fizeram uma queixa a reguladores antitruste dos EUA sobre a aquisição da Arm pela Nvidia, sob a alegação de que o negócio prejudicará a concorrência em uma área vital para o setor.

O Google, controlado pela Alphabet, Microsoft e Qualcomm estão entre as empresas preocupadas com a aquisição de US$ 40 bilhões e pedem a intervenção das autoridades antitruste, disseram pessoas a par do processo que pediram para não serem identificadas. Pelo menos uma das empresas quer que o negócio seja anulado.

A aquisição daria à Nvidia o controle sobre um fornecedor fundamental que licencia tecnologia de chips para empresas como Apple, Intel, Samsung Electronics, Amazon.com e a chinesa Huawei Technologies.

A Arm, com sede no Reino Unido é chamada de “Suíça do setor”, porque licencia designs de chips e códigos de software relacionados para todos os concorrentes, em vez de competir com empresas de semicondutores. A preocupação é que, se a Nvidia controlar a Arm, isso poderá limitar o acesso das rivais à tecnologia ou aumentar o custo do acesso.

A Nvidia argumenta que o preço da aquisição, por si só, significa que não vê incentivos para mudar essa neutralidade, mas alguns rivais e clientes não estão convencidos.

“À medida que avançamos no processo de revisão, estamos confiantes de que tanto reguladores quanto clientes verão os benefícios de nosso plano de continuar o modelo de licenciamento aberto da Arm e garantir uma relação transparente e colaborativa com os licenciados da Arm”, disse um porta-voz da Nvidia em comunicado. “Nossa visão para a Arm ajudará todos os licenciados da Arm a expandirem seus negócios e crescerem em novos mercados.” Microsoft, Qualcomm e Arm não quiseram comentar. O Google não respondeu de imediato a um pedido de comentário. A CNBC informou sobre as objeções da Qualcomm anteriormente.

Antes que o negócio seja concluído, a Nvidia deve passar por um longo processo de revisão de autoridades antitruste dos EUA, Reino Unido, União Europeia e China. Agências governamentais globais estão prestes a entrar em contato com empresas que acreditam que poderiam ser afetadas pela transação.

Uma forte oposição de grandes empresas de tecnologia poderia dificultar a aprovação, atrasar o processo ou obrigar concessões que alterem o valor da Arm para a Nvidia.

Nos Estados Unidos, o acordo está em análise pela Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês), que iniciou uma extensa investigação sobre a fusão e encaminhou pedidos de informações a terceiros, segundo uma pessoa a par do assunto. A FTC não quis comentar.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.