Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    28.797,09
    -267,43 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Gigantes de fertilizantes estimam que caos continuará em 2023

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- As principais fabricantes mundiais de fertilizantes preveem que a crise de fornecimento que lançou o mercado no caos provavelmente se estenderá além de 2022.

Os preços de fertilizantes subiram para níveis recordes após a invasão da Ucrânia pela Rússia e as sanções contra a Bielorrússia comprometerem grande parte da oferta mundial. As sanções têm o potencial de criar impactos mais duradouros, pois levará tempo para reconstruir a capacidade de exportação da região e os compradores procuram outros fornecedores, disse o CEO da Nutrien, Ken Seitz.

A Nutrien, a maior empresa de fertilizantes do mundo, estuda “o potencial de acelerar nosso aumento de produção de potássio”, disse Seitz durante teleconferência com analistas. As interrupções “podem durar muito além de 2022”.

O isolamento da Rússia e da Bielorrússia do comércio mundial de insumos agrícolas, mesmo que seja temporário, pode remodelar o mercado e aumentar a incerteza sobre a confiabilidade dos suprimentos, acrescentou.

“Poderia haver uma mudança nos padrões de comércio global como resultado? Achamos que é uma possibilidade”, disse Seitz em entrevista por telefone.

A empresa canadense já disse que aumentará a produção de potássio em cerca de 1 milhão de toneladas para 15 milhões este ano, com a maior parte do volume adicional prevista para o segundo semestre. A Rússia e a Bielorrússia respondem por cerca de 40% da produção e exportações globais de potássio, segundo a Nutrien.

A Mosaic também estima que o mercado de potássio continuará extremamente apertado no futuro próximo.

“Talvez seja um problema de dois anos e, mesmo assim, levará mais dois a quatro anos para recuperar o déficit”, disse o CEO Joc O’Rourke em teleconferência.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos