Gigantes da moda mundial são alvo de nova denúncia de exploração dos uigures na China

AFP - LOIC VENANCE

Uma nova denúncia de exploração de trabalho forçado da minoria uigur foi apresentada esta semana em Paris. Lançada por um coletivo de associações, a queixa visa gigantes de moda, como o grupo Inditex, dono da Zara, e o japonês Uniqlo.

A denúncia foi feita pela associação anticorrupção Sherpa, o coletivo francês Ethique sur l'étiquette, o Instituto uigur da Europa (IODE) e uma uigur que foi detida na região do Xinjiang, no noroeste da China.

Segundo as entidades, a Uniqlo France, que pertence ao grupo japonês Fast Retailing, o espanhol Inditex, dono de marcas como Zara, Bershka, Massimo Duti, e o grupo francês SMCP, sigla por trás das grifes Sandro, Maje, de Fursac, além da multinacional dos calçados Skechers, estariam comercializando produtos feitos total ou parcialmente em fábricas onde uigures seriam vítimas de trabalho forçado. Segundo dados de organizações não governamentais, mais de um milhão de membros dessa minoria muçulmana são detidos atualmente na região Xinjiang em condições desumanas.

“Uma em cada cinco roupas de algodão pode ser fruto do trabalho forçados os uigures”, estimam as organizações que apresentaram a denúncia. Segundo elas, as empresas que comercializam esses produtos não controlam suficientemente seus fornecedores, contribuindo para essa situação de exploração.

“Crimes contra a humanidade”

(Com informações AFP)


Leia mais em RFI Brasil

Leia também:
ONU relata “crimes contra a humanidade” em Xinjiang; Pequim acusa relatório de “ferramenta política”
Visita de Bachelet a Xinjiang pode virar “coreografia da propaganda chinesa", diz porta-voz dos uigures
China usa celular para espionar uigures e considera leitura do Alcorão como extremismo, denuncia ONG