Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,52
    +0,24 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.740,10
    -13,90 (-0,79%)
     
  • BTC-USD

    16.213,56
    -367,81 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,17
    -0,12 (-0,03%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.622,75
    -160,00 (-1,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5467
    -0,0777 (-1,38%)
     

Gigante e perigoso, asteroide Bennu na verdade não é sólido

Asteroide voando pelo espaço
Asteroide voando pelo espaço
  • Um toque da espaçonave exploratória foi suficiente para causar uma cratera de 8 metros de largura;

  • Bennu na verdade é mantido junto graças à força da gravidade;

  • Seu impacto na Terra seria muito diferente do que o imaginado anteriormente.

O asteroide 101955 Bennu é tido como um dos mais perigosos do Sistema Solar. Com um tamanho de 500 metros de largura, cálculos apontam que seu impacto no planeta é capaz de destruir um continente inteiro, com repercussões sendo geradas no mundo todo. Por sorte, de acordo com a Nasa, Bennu não representa nenhum risco de colisão com a Terra, se encontrando muito longe de nosso planeta.

No entanto, uma nova descoberta pode colocar em cheque até mesmo seu nível de periculosidade. “Nossas expectativas sobre a superfície do asteroide estavam completamente erradas”, disse Dante Lauretta, um dos principais cientistas no time de investigação da OSIRIS-REx, da Nasa.

OSIRIS-REx é uma espaçonave enviada ao espaço em 2018 para coletar informações sobre a superfície de Bennu. Ao pousar, a nave na verdade quase afundou na superfície, sendo salva graças a seu sistema de propulsão que agiu no momento certo. O resultado do leve toque de OSIRIS-REx em Bennu foi uma cratera de oito metros de largura.

“O que vimos foi uma enorme parede de detritos irradiando do local da amostra”, Lauretta. "Nós estávamos tipo, 'Caramba!'"

Ao invés de um objeto sólido, como uma grande rocha, Bennu é formado por pequenas rochas bem menores, mantidas juntas graças à força da gravidade com grandes espaços vazios entre cada uma. É como se o asteroide fosse uma grande piscina de bolinhas.

Esse novo fato muda muita coisa sobre nosso entendimento de Bennu. Análises antigas já colocavam o asteroide gigante como sendo da categoria C, isto é, do tipo carbonáceos, que raramente sobrevivem a uma viagem pela atmosfera.

Só que os novos dados apontam que além disso, Bennu está perdendo pedaços de rochas para o espaço, ficando "menor". Hoje um impacto com Bennu ainda seria algo perigoso, mas não há mais um grande consenso de o asteroide iria quebrar em milhões de pedaços ao entrar em contato com a atmosfera, fazendo uma espécie de "chuva" de meteoritos, que embora perigosos, não representam a mesma ameaça que um grande bloco sólido.