Mercado fechará em 6 h 24 min
  • BOVESPA

    114.069,72
    +361,96 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,54
    +1,43 (+1,62%)
     
  • OURO

    1.779,30
    +2,60 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    23.506,62
    -129,92 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    560,23
    +2,50 (+0,45%)
     
  • S&P500

    4.270,28
    -3,76 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    33.959,21
    -21,11 (-0,06%)
     
  • FTSE

    7.529,71
    +13,96 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.493,25
    0,00 (0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2391
    -0,0201 (-0,38%)
     

Gigante Duke Energy demostra interesse pela mineração de Bitcoin

A segunda maior empresa de energia dos Estados Unidos, a Duke Energy Corporation, está interessada em operações de mineração de Bitcoin. Segundo o analista-chefe da organização, Justin Orkney, um estudo realizado em parceria com mineradores da criptomoeda analisou a demanda do processo no setor energético, e revelou que a atividade é benéfica do ponto de vista do aproveitamento energético.

Orkney falou sobre o assunto durante a participação em uma entrevista, para um jornalista independente que comanda um podcast apresentado em diversas plataformas da internet. Eles discutiram vários temas, um deles foi a questão do ramo de mineração do Bitcoin. Na conversa foi destaque principalmente como o processo pode ajudar a estabilizar a rede elétrica durante períodos de superprodução energética ou pico de consumo.

O analista-chefe da Duke Energy Corporation explicou que a organização enxerga o setor e a parceria com os mineradores como uma grande oportunidade, mas destaca que ainda está estudando a ideia. “Estamos realizando nossos próprios estudos sobre a mineração de Bitcoin, buscamos uma adaptação flexível da atividade de minerar criptomoedas para a quantidade de energia disponível na rede, especialmente em períodos de superprodução ou de alta demanda."

Segundo Orkney, a mineração de Bitcoin pode ser extremamente benéfica do ponto de vista de aproveitamento energético, ele também revelou que já está trabalhando com diversas empresas do setor e que esses mineradores se juntaram voluntariamente ao programa de testes da empresa.

Ele explicou que a fase de testes consiste com os mineradores em certos horários e períodos do ano desligando as máquinas, de modo a adaptar o consumo do processo de mineração ao estado da rede energética.

Estudo revelou que a mineração de Bitcoin tem um consumo 50 vezes menor de energia do que todo o sistema bancário tradicional (Imagem:Reprodução/Envato-photocreo)
Estudo revelou que a mineração de Bitcoin tem um consumo 50 vezes menor de energia do que todo o sistema bancário tradicional (Imagem:Reprodução/Envato-photocreo)

Mineração de Bitcoin é benéfico para o setor de energia

O processo de mineração de Bitcoin, segundo Orkney é uma maneira incrivelmente eficiente de controlar a energia. O maquinário dos mineradores pode manter o mesmo consumo durante todo o dia, mas também, se necessário, pode ser paralisado rapidamente quando outro serviço essencial precisar de energia durante um período de pico de carga, por exemplo. Quando a demanda diminui, as máquinas podem ser ligadas novamente.

Para o analista-chefe da Duke Energy Corporation, isso é extremamente benéfico no caso dos Estados Unidos. Segundo ele, a maior parte do sistema de energia, transformadores e cabos tem mais de vinte anos. Os mineradores podem equilibrar as flutuações, explicou.

“Durante as horas de pico de consumo, eles reduzem sua produção, mas quando a demanda da rede diminui, as máquinas são religadas para que a produção de eletricidade não precise ser alterada. Desta forma, sistemas de fornecimento de energia ainda menos confiáveis ​​podem ser usados ​​de forma mais estável."

Não é só a Duke Energy Corporation que demonstrou interesse pela mineração de Bitcoin, outras gigantes do setor de energia e gás como Exxon Mobil, Equinor, La Geo e Conocophillips também já declararam estar interessadas.

Mineração de Bitcoin é ruim para o meio ambiente?

Nos últimos dois anos, a mineração de Bitcoin recebeu muitas críticas. Segundo os opositores, o consumo de energia do processo é muito alto. Contudo, especialistas já revelaram que os números divulgados em alguns estudos são provavelmente exagerados.

Em um estudo publicado em 16 de junho, a mineração de Bitcoin tem um consumo 50 vezes menor de energia do que todo o sistema bancário tradicional. Além disso, Daniel Batten, analista ambiental, publicou um relatório apontando que a mineração seria capaz de consumir uma grande quantidade de metano, que, de outra forma, seria liberado na atmosfera e que nenhuma outra tecnologia poderia fazê-lo melhor.

O estudo de Batten mostra que o Bitcoin tem potencial de eliminar 0,15% das emissões globais de CO2-eq até 2045. Com isso fica cada vez mais claro baseado em estudos e opiniões de especialistas que a mineração do Bitcoin talvez não seja assim uma atividade tão ruim para o meio ambiente — o ideial é encontrar maneiras de equilibrar seu uso energético em otimizar suas vantagens.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos